COMO DISFARÇAR BRAÇOS CHEINHOS

A gente vê acontecer direto com as nossas clientes: quem tem pernão não necessariamente se sente pesada, com silhueta grandalhona — mas quem tem os braços mais cheios, quem ganhou essa herança da mamãe e da vovó (!!!), geralmente tem sensação de mais peso visual na silhueta toda. Isso pode rolar por que a gente interage com o mundo através do rosto, pela expressão facial, pelo olhar e pela fala… braços cheinhos tão bem mais perto do rosto que as pernas, e a gente acaba vendo com mais frequência o espaço que eles ocupam na parte de cima do corpo. Sacou?

É possível conviver com alguém por meeeses antes de perceber que ela tem pernas grossas — por isso quem tem parte de cima da silhueta mais pesada visualmente pode sentir dificuldade de parecer mais leve, mais longilínea… mesmo se for bem magrinha (alô singularidades!). Assim: braços parrudos :) acrescentam volume na direção horizontal, de um lado pro outro, fazendo a gente parecer mais larga. Mas ó, tem jeito da gente escolher o que veste com o propósito de suavizar essa característica — e uma primeira direção pode ser a de coordenar looks que chamem atenção pro centro do corpo. E mais:

como disfarçar braços gordinhos

TERCEIRA PEÇA
Óbvio e muito eficiente é cobrir a parte mais cheia do braço, né. Acontece que essa solução pode inviabilizar outras demandas do nosso vestir — conforto, frescor (alô calorzão), estilo pessoal… Tem que colocar clareza no que é mais importante pra gente: disfarçar braço gordinho vale bancar o incômodo do calor, da sobreposição, tem a ver com quem a gente é?

Se sim, vale tricô fininho quase quase transparente, blusa de algodão com manga comprida puxadinha até o cotovelo (sempre charmoso!), camisa de botão em tecido leve/soltinho usado por cima de regata, camisa jeans como jaquetinha fresca, camisetas que cheguem mais pertinho do meio do braço cobrindo a maior circunferência do braço.

Climas mais amenos e ambientes com ar-condicionado dão chance da gente sacar jaquetinhas e casaquetos de manga curta ou paletós mais femininos. Esse tipo de terceira peça tem ainda mais efeito “suavizador” de peso visual porque, além de cobrir/esconder, tem formas retas — tecidos desestruturados acompanham as nossas formas como elas são, deslizando sobre a pele; tecidos estruturados como os das jaquetas e paletós tem a forma em si, já moldada pelo próprio tecido, e criam ilusão de que o nosso corpo “cabe” dentro desse formato, que tá contido ali dentro.

Todas essas sugestões só tem efeito garantido se qualquer manga (seja de camiseta, blusa de seda, cardigã ou paletó) não seja super colada na pele. É importante deixar sobrar um “colchãozinho de ar” entre pele e tecido, pra garantir conforto físico e pra produzir sensação de que o que tá lá dentro — nosso bracinho-herança, no caso — é menor que a roupa.

TIPOS DE MANGA CURTA
Mas né, vai haver ocasião em que é impraticável pensar em usar terceira peça (país tropical, abençoado por Deus…!). Aí a gente escolhe camisetas que não tenham mangas bufantes, elásticos que prendem ou barras de mangas que acabem bem na linha mais larga da circunferência do braço. Pensa que os boys mais malhados da academia escolhem justamente esse tipo de manga pra ressaltar a largura do bração trabalhado deles.

Mangas tipo machão ou japonesa (que acabam bem na esquina do ombro com o braço e o deixam todinho em evidência!) também não ajudam, viu. Alcinhas super hiper mega finas também não — sempre mais suavizador escolher camisetas com mangas convencionais ou alças mais espessas, com pelo menos dois dedos de largura. Essas alças mais largas, quando em cores que contrastam com a nossa pele, criam ainda mais efeito “encolhedor” de largura porque fragmentam o torso no sentido horizontal, sabe como?

COADJUVANTES
Toda intenção de verticalizar a direção em que a gente se vê no espelho e de chamar atenção pro centro do corpo (e não pras bordas) é eficaz pra suavizar parte de cima da silhueta: decote em V, costuras dos ombros no lugar certinho (sem ser caída, sabe?), lapelas mais fininhas, colarinhos de camisa mais pontudos, colares coloridos e brilhosos :) broches e até batom vermelho. Legal também tentar trabalhar mais elementos visuais na parte de baixo do look do que na parte de cima (comparativamente) — com calças, saias, bermudas e shortinhos com estampas, volumes, texturas e mais. É testar pra saber.

AUTOACEITAÇÃO é a melhor coisa que existe
Tudo isso daí, gente, é direção que cria ilusão de ótica e que faz com que (na frente do espelho) nossa atenção seja naturalmente colocada no que agrada… mais do que no que desagrada: braço continua tendo o mesmíssimo tamanho, a gente só enxerga menos, gasta menos energia desgostando. A gente aqui é grata por todas as partes dos nossos corpos que tão funcionando, levando a gente pra passear, permitindo que a gente abrace quem a gente ama e tudo mais. Tenta você também exercitar gratidão pelos seus “pedaços” colocando energia no seu todo — que a gente é bem mais que só braço ou só qualquer outra coisa. <3

+ CONSULTORIA DE ESTILO PRA COLOCAR ESSAS IDÉIAS EM PRÁTICA
+ MAIS DESSES FACILITADORES DE VIDA TODA SEMANA VIA EMAIL
+ MAIS SOLUÇÕES DE SILHUETA AQUI NO BLOG
+ FORMAÇÃO PRA QUEM QUER TRABALHAR COMO PERSONAL STYLIST

Oficina de Estilo no seu email
IDÉIAS PRÁTICAS PRA FACILITAR O VESTIR!
  • e comprar menos e melhor
  • e se arrumar em menos tempo
  • e se sentir linda e autêntica com o que tem no guarda-roupa
  • e exercitar criatividade e se sentir empoderada <3