COMPRAR DEVERIA SER CONSEQUÊNCIA DE SER

Perguntaram pra gente como avaliar o mercado de consumo de moda funcionando hoje com tanta influência dos “blogs de moda”, e a entrevista deu oportunidade pra gente refletir sobre o que é chamado ‘moda’, o que é consumo, o que desperta ansiedade nas pessoas e como o sistema em que a gente tá inserida se aproveita disso.

Olhando daqui, do lado de quem consome, (no dia-a-dia orientando nossas clientes de consultoria de estilo a comprar melhor), a gente entende que hoje existe uma confusão entre a oferta de um produto e a “venda” de um estilo de vida, de um padrão estético ou de um valor. Geral tem trabalhado COISAS como se fossem itens obrigatórios pra estar inserida num grupo específico ou pra sentir/viver o que quem vende aparenta sentir/viver. Uma idéia embutida no produto, na coisa, de que quem não tem/compra está automaticamente “de fora” desse grupo.

a gente não deveria depender do que nos é oferecido em vitrines (e na internet toda) pra desejar/consumir.

A gente conhece o que acontece-vem acontecendo nos “blogs de moda” (do mundo todo!), nos instagrams e na publicidade de moda em geral, não tamos aqui alienadas. Existe um bombardeio de  mensagens que nem precisam ser tão claras, mas que comunicam “compre isso, compre aquilo, tem que ter… ou você não conta, não é ninguém” — isso tira a nossa humanidade e trata geral não como pessoa, mas como consumidora. A gente passa a ‘ser o que compra’. Sem estilo pessoal, sem identidade autêntica, mas com “a cara da estação”, do que foi adquirido. Aparência passa a ser um conjunto de peças de roupa, e não mais moldura coerente pra quem a gente é.

Roupa é sim ferramenta de comunicação, e é tão delicioso ter oportunidade de escolher o que expressa quem a gente é, o que é importante pra gente, nossas singularidades. Um super conforto na vida é se olhar no espelho reconhecendo com clareza o rótulo que a gente mesma escolhe pra estampar o conteúdo da nossa embalagem, nosso recheio!

Consumir deveria ser consequência de uma vivida com atenção e reflexão — fazendo sentido, precisando, fazendo a diferença no conjunto de peças que já se tem no armário, caindo 100% bem, faltando no guarda-roupa, tendo função essencial e desejo autêntico… essas noções deveriam direcionar quaisquer compras que a gente faça. A gente não deveria depender do que nos é oferecido em vitrines (e na internet toda) pra desejar/consumir. O desejo e a motivação da compra deveriam vir DA GENTE, de dentro, e não ser estimulado do lado de fora. Nada do que é vendido traz junto o glamour de quem usa, a vida espetacular da modelo, ou o corpo dela, ou a alegria que ela estampa na foto publicitária (ou na foto do look do dia). A sacola vem APENAS com produto e toda promessa extra é promessa furada.

A confusão está exatamente aí: no fato de se vender ‘coisas’ como se o que fosse comprado fosse mais que isso, fossem ‘valores’. Quem compra motivada pelo estímulo de fora sente prazer pela conquista, mas quando procura no espelho todo o ‘pacote extra’ esperado e não acha… então precisa comprar de novo pra sentir esse prazerzinho momentâneo de novo e assim a roda do mercado gira. Quem compra motivada por demandas internas, refletidas, sente satisfação não só pela conquista, mas também a cada uso útil, versátil e “gerador-de-segurança” do que foi adquirido. É ou não é?

Então a gente acredita que se perguntar ‘o que é importante’ e ‘o que se quer sentir em frente ao espelho’ dá direção pra escolher com mais satisfação e mais acerto. E que o tempo que a gente gasta tentando entender por que as blogueiras de moda são hoje grandes como são poderia, de repente, ser gasto em exercícios de autoconhecimento. Inspiração só ganha sentido quando acha lugar pra acontecer com conforto na vida de quem se inspira — não adianta se inspirar pra outra vida, a nossa é só nossa (e só a gente é a gente!).

NOSSA NEWSLETTER SEMANAL chega aí no seu email com mais questionamentos, facilitadores de vida e idéias práticas sobre estilo pessoal e consumo consciente. ASSINA PRA RECEBER!

Oficina de Estilo no seu email
IDÉIAS PRÁTICAS PRA FACILITAR O VESTIR!
  • e comprar menos e melhor
  • e se arrumar em menos tempo
  • e se sentir linda e autêntica com o que tem no guarda-roupa
  • e exercitar criatividade e se sentir empoderada <3