ONDE FICA O PESO VISUAL?

A gente não usa, no nosso trabalho como personal stylists, essas nomenclaturas classificatórias de tipos físicos. Sabe isso de “corpo pêra”, “corpo ampulheta”, etc etc etc? A gente acha difícil a humanidade inteira se enquadrar em cinco ou seis tipos de corpo — sendo que a gente é quebra-cabeça de características, né? Pode ter uma pêra mais cheinha ou mais magrinha, pode ter um triângulo invertido com perna mais longa ou mais curta… mil variações, alô diversidade!

De uns anos pra cá, com a experiência, a gente foi se adaptando à idéia de ‘peso visual’ na silhueta. Independente das formas que a gente tem, sempre dá pra definir -em qualquer silhueta- um espaço que chama mais atenção, que parece ocupar mais espaço, que dá essa sensação de peso. Geralmente é onde a gente engorda primeiro, e pro que a gente tem mais dificuldade de escolher roupa: pode ser que esse peso visual esteja na parte de cima ou na parte de baixo da silhueta (ou no meio, pra quem tem barriguinha que teima em ser saliente!).

Bom é que esse peso não tem a ver com peso de quilos (ufa!), mas sim com espaços. E é se estudando em frente ao espelho que a gente confirma onde está o peso visual da cada silhueta — e a partir dessa identificação/confirmação é que a gente tem direção objetiva do que escolher e do que usar pra equilibrar e harmonizar a aparência.

De frente pro espelho, com postura bem bonitinha e reta, a gente compara distâncias entre os ombros, a largura da cintura e a largura do quadril. Não tem nada a ver com medidas, esquece a fita métrica. Vale usar um cadarço ou uma fita de cetim como auxílio. Importante é ver, em relação à cintura, que medida é mais extensa. E pronto: o espaço maior é exatamente onde o peso visual da silhueta está.

-Quem tem quadril, bumbum e coxinhas fartas geralmente tem ombros sequinhos, peitinho pequenino = peso visual na parte de baixo.
-E o contrário geralmente é válido: quem tem peitão, ombrão, pescoço curto e mais largo, geralmente tem quadril retinho, pouco bumbum, pernocas mais finas = peso visual na parte de cima.

Vem daí a nossa TEORIA ROBIN HOOD PRA EQUILIBRAR E HARMONIZAR SILHUETAS: a gente observa, no próprio tipo físico, o que tem sobrando e o que tem faltando — e então enche os ‘espaços pobres’ de elementos visuais (estampas, recortes, drapeados, bolsos, transparências, texturas, etc) e tira tudo que for possível dos ‘espaços ricos’ (pra deixa tudo mais liso, mais neutro, menos chamativo). Vale clicar pra entender direitinho que ó,  a teoria Robin Hood funciona MESMO!

Também a partir da identificação do peso visual na silhueta a gente consegue mirar bem certeiro na idéia de “desarredondar”, de suavizar o que é maior e mais pesado visualmente no próprio corpo. E sabendo como a gente é, o que a gente tem de mais legal e menos legal, é que a gente faz render nossas idéias de moda com a nossa cara, pra nossa vida, alcançando os nossos próprios objetivos. Isso sim é ser inteligente em estilo!

+ FÓRMULA DA BOA RELAÇÃO COM O ESPELHO
+ VISTA QUEM VOCÊ É
+ CONSULTORIA DE ESTILO: PRA COMEÇAR A VIVER ESSA INFO NA PRÁTICA!

NOSSA NEWSLETTER SEMANAL chega aí no seu email com mais questionamentos, facilitadores de vida e idéias práticas sobre estilo pessoal e consumo consciente. ASSINA PRA RECEBER!

Oficina de Estilo no seu email
IDÉIAS PRÁTICAS PRA FACILITAR O VESTIR!
  • e comprar menos e melhor
  • e se arrumar em menos tempo
  • e se sentir linda e autêntica com o que tem no guarda-roupa
  • e exercitar criatividade e se sentir empoderada <3