SE CONHECER É O CAMINHO PRA SER FELIZ (COM MODA)

A gente na Oficina não é a favor do “pode” e do “não pode”. Não tem essa de “regras e mandamentos” – especialmente os que generalizam. Mas a gente curte informação, do tipo que simplifique escolhas e ajude a escolher melhor. Quando a gente sabe de efeitos e significados do que a gente usa, fica fácil selecionar o que a gente quer e o que a gente não quer. A gente sempre tem humores e vontades, mas mesmo se sentindo diferente a gente não deixa de ser quem a gente é. Então não tem por que se vestir como se a gente fosse outra pessoa. Não tem o conselho de ‘pensar antes de falar ou de agir’? A GENTE QUER QUE TODO MUNDO PENSE ANTES DE VESTIR, POR QUE COMUNICA IGUAL. Pra comunicar direitinho, né? Ninguém quer desentendimento na mensagem!

Então o fundamento da consultoria de estilo é olhar pra dentro, estudar o que se tem dentro, pensar no que é importante pra gente, no que a gente não vive sem, no que é essencial pra gente ser feliz –> pra fazer esse “conteúdo” refletir do lado de fora. E se a gente tem personalidade super bacana pra mostrar, melhor ainda se essa personalidade pode ser enfeitada com o que veste as nossas formas do melhor jeito. Não? Por isso, a gente é a favor de todo mundo saber o que pode deixar mais gordinha, o que  pode faze parecer mais alta, as mensagens que as cores transmitem, o que pode disfarçar isso ou aquilo – e todo mundo pode ou não usar, mas vai escolher sabendo, com consciência. Porque mais que tudo, a gente é a favor de todo mundo ser feliz com a moda – não é todo mundo que já nasce com super senso fashion, e é estudando que a gente aprende qualquer coisa nessa vida, não é mesmo?

Diz que o Hitchcock dizia que limitação aumenta a criatividade. Tipo quando se pode tudo, não se exercita a criatividade de burlar regras, não se pensa em jeitos diferentes de fazer alguma coisa funcionar ou em soluções. Ele mesmo se impunha limitações no trabalho, tipo fazer um filme inteiro sem cortes – ele escolheu ser criativo e foi assim que ele se superou e fez “Festim Diabólico”, um super filme celebrado e tals. Tem cara de que ele teve um trabalhão, mas também que se divertiu como nunca e que se sentiu super recompensado por ter alcançado um resultado legal mesmo com adversidades. Quando a gente tem limitações a gente se esforça mais, estuda mais, experimenta mais – e nem por isso precisa perder em espontaneidade (até parece!). Então nossas limitações de peso e medidas e proporções viram estimuladores de criatividade. E se dão mais trabalho pra gente, se sentir linda e feliz em frente ao espelho – independente de regras vazias mas atentendo ao que a gente mesma define como direção! – pode ser uma super recompensa.

Oficina de Estilo no seu email
IDÉIAS PRÁTICAS PRA FACILITAR O VESTIR!
  • e comprar menos e melhor
  • e se arrumar em menos tempo
  • e se sentir linda e autêntica com o que tem no guarda-roupa
  • e exercitar criatividade e se sentir empoderada <3