blog

  • A internet que a gente quer é a que a gente trabalha pra construir: se a gente quer compartilhar idéias pra geral ler com tempo, pra que haja resposta consistente e troca significativa, então é justo (e natural!) que a gente dedique tempo e pensamento crítico à essa construção, a esse trabalho. Nosso compartilhamento de conteúdo não funciona no piloto automático, nem na superficialidade, nem “entre tarefas”, nem “quando sobra tempo” (quando sobra?).

    Aqui na ODE é comum a gente ouvir: “Nossa, como o conteúdo de vocês é legal, eu também adoraria produzir conteúdo assim — mas não tenho tempo”. A primeira parte é de sentir orgulho, a segunda parte é de sentir incômodo. Nossa agenda tem períodos de toda semana separados pra esse trabalho, com tarefas organizadas a partir de planejamento e propósito.

    Ó:

    Toda segunda-feira a gente tem uma reunião interna pra estruturar os conteúdos das próximas newsletters, rascunhar os temas dos próximos posts pro nosso blog, e então esmiuçar essas idéias em posts rápidos pensados pras nossas redes sociais — hoje o Instagram, o Twitter e o Pinterest. Tudo pensado a partir das experiências mais frescas vividas com clientes de consultoria, dos aprendizados mais recentes visitando lojas e conhecendo designers/projetos novos, das aulas que a gente dá e das trocas com nossas alunas, dos livros que a gente vem lendo, dos conteúdos com que tivemos contato.

    E toda quarta-feira tem gente aqui 100% dedicada a fazer essa estrutura/essa organização/esses esqueletos tomarem vida, e se materializarem em forma de conteúdo. Cada postagem é pensada do zero pra sua própria rede, cada texto redigido com atenção, cuidado e pesquisa, cada imagem produzida e tratada por nós mesmas — ajeitando as fotos das nossas clientes, feitas nas sessões de montagem de looks da consultoria, ou fotografando no nosso pequeno estúdio caseiro o que melhor representa os assuntos de que a gente quer falar.

    É trabalho, já que todo compartilhamento de conteúdo sai daqui conectado com o que a gente tem pra oferecer como serviço aqui na ODE. Os questionamentos e as práticas que movem o nosso fazer estão disponíveis também em forma de cursos presenciais e online, de consultoria e de livros pra quem quer se aprofundar, se apropriar, experimentar na própria vida, “personalizadamente”. E a gente procura responder comentários e e-mails sabendo que esses questionamentos se retroalimentam, e que a partir dessa troca o conteúdo é abastecido com novas idéias, novos insights, novas possibilidades de prática.

    Então a energia que a gente coloca nesse trabalho devolve pra gente resultados individuais e também coletivos. Quando a gente cuida com autenticidade da internet que produz, a gente entende que tá cuidando também do ambiente virtual em que quer estar inserida \o/ fazendo a nossa parte pra construir uma internet em que o ganha-ganha seja lei. Permanecemos aqui na ODE cheias de amor pela rede mundial <3 e comprometidas com essa nossa entrega, usufruindo nós mesmas de quaisquer resultados.

    ((Texto complementar e versão mais íntima desse outro post aqui, feito a convite da Dani Arrais e da Luiza Voll no blog da Contente))


  • Desde 2006 a gente compartilha nossa experiência como personal stylists, em posts recheados de conteúdo técnico/possível/personalizável de consultoria de estilo. Tem mais de 2.500 posts publicados \o/ e a gente não falou sobre t-u-d-o que existe no universo da moda e da consultoria mas olha, a gente já falou de muuuita coisa aqui. De tempos em tempos re-olhamos assuntos conversados antes e re-editamos posts, mas né, pode ter muita coisa de lá de trás nos arquivos — mas sempre valendo, sem data de validade pra expirar!

    Conteúdo aqui é artigo atemporal, pra vida. Vale um passeio pelo nosso campo de busca na hora da dúvida. Até a gente usa a ferramenta ali em cima pra achar assuntos/conversas de antes, sabia?

    Desde 2006 a gente compartilha conteúdo de consultoria de estilo no nosso blog , então já se falou sobre quaaaase tudo por lá! Saiba como encontrar o assunto do seu interesse no nosso campo de busca: http://www.oficinadeestilo.com.br/blog/ta-tudo-nos-arquivos-do-blog/

    Essa ferramenta — ali em cima, na faixa cinza de menu do site, do ladinho do campo em que se assina a nossa newsletter — funciona assim: a gente digita palavras-chave no campo, dá enter no teclado e passeia pelos títulos de posts que aparecem em lista, com data de postagem e tudo. Dá pra digitar também pedacinhos de frases ou idéias, a busca vai atrás… e acha!

    Quando fica difícil ou quando a gente não se entende na busca, vale abrir o Google e digitar o pedaço de frase ou título ou assunto que se procura + oficina de estilo — super funciona! Tipo, experimenta digitar no Google:

    parecer mais magrinha oficina de estilo

    ou qualquer outra idéia/coisa/assunto/palavra junto com a gente (!!!) que o Google entrega resultado assim ó. E aí, se nem a nossa busca aqui no site e nem o Google acharem o que se procura, daí você manda email pra gente perguntando se isso (seu interesse!) já foi tratado aqui no blog. E se não foi, a gente anota na nossa lista de pautas e você colabora com o enriquecimento desse nosso acervo de conteúdo disponível pra todo mundo, ó que lindeza. ;-)


  • [ insira aqui o emoji das velhinhas ]

    A gente completa 10 anos de internet em 2016 \o/ e tem uma galera que se espanta quando se dá conta de que a Oficina já existia/funcionava 3 anos antes, desde 2003 na ativa da consultoria de estilo. Fizemos nosso 1º post em fevereiro de 2006 e desde então seguimos compartilhando insights e aprendizados que nossa carreira rende na prática, através do atendimento às nossas clientes, na vida real.

    + quer trabalhar como personal sylist com a nossa metodologia?

    E isso é um fundamento: antes de comunicar o nosso serviço, a gente presta esse serviço! Com a nossa entrega profissional (como personal stylists) temos vivenciado demais a independência de escolha e o consumo inteligente como potenciais geradores de empoderamento das nossas clientes. Nos consideramos boas comunicadoras-compartilhadoras de idéias libertadoras do pensar (e do vestir) — mas não queremos evangelizar ou assumir posto de porta-voz de coisa alguma. Compartilhar tem a ver com a nossa natureza e com o nosso propósito: assim acreditamos que estendemos os bons efeitos do questionamento e do autoconhecimento praticados na consultoria de estilo pra quem mais quiser se apropriar e usufruir.

    10 ANOS DE OFICINA DE ESTILO NA INTERNET

    Com essa consciência, nesse aniversário de 10 anos, nossa vontade na internet tá se voltando pras nossas origens. Em 2006 a gente conversava via blog e pronto: não existia rede social e se usava o espaço de auto-publicação pra conversar sobre idéias de uma forma um pouco mais aprofundada, em mais do que pequenas legendas ou 140 caracteres apenas — com menos likes e mais troca significativa.

    Tamos sentindo que a voracidade e a velocidade das redes sociais tem mais a ver com consumismo do que com consciência — a gente se propõe a exercitar nossa expertise na prática com nossas clientes, e então organizar idéias pra compartilhar de maneira inclusiva (todo mundo pode usufruir!), e isso demanda tempo, reflexão. Tem mais a ver com postagens semanais ou quinzenais no blog e também com mais proximidade com as idéias de quem lê o que a gente posta (alô campo dos comentários). Tamos sentindo saudade dessa dinâmica e vamos, nesse novo ano, abrir espaço pra re-experimentar isso daí.

    A gente ainda curte documentar os bastidores do nosso trabalho no Instagram (não sabemos por quanto tempo ainda, não é uma rede que tem despertado nossa simpatia…), ainda AMA distribuir indicações de links legais no Twitter e ainda usa muito o Pinterest pra fazer nossas pesquisas de trabalho. A gente mantém nossos “lotes” nesses territórios com a mesma animação, mas aqui nessa terra que é genuinamente NOSSA é que a nossa energia vai estar nesse 2016.

    Adiante!
    <3

    + COMO CONSTRUIR UM GUARDA-ROUPA INTELIGENTE
    + COMO SE TORNAR UMA PERSONAL STYLIST


  • Tivemos oportunidade de participar com o nosso trabalho de uma promoção muito linda: as Lojas Marisa comemoraram o dia internacional da mulher com uma consultoria de estilo de presente pra uma de suas clientes, celebrando a amizade e a “irmandade” entre mulheres. Funcionou assim: uma amiga indicava outra pra concorrer, dizendo por que a amiga merecia ganhar esse presentão — que não era só consultoria, mas consultoria e um vale de R$ 8.000,00 pra abastecer o guarda-roupa na Marisa (!!!). Um monte de amigas se amando e reconhecendo valor umas nas outras, uma coisa linda! A amiga da Pat, a deliciosa contemplada no vídeo com a gente aqui embaixo, dizia na promoção que a amiga toma conta de todo mundo em volta – do marido, dos filhos, dos alunos… – mas que precisava retomar o cuidado com ela mesma porque ela é quem mais merece! A gente participou da seleção da Pat como vencedora, marcou encontro, foi até a casa dela, conheceu o guarda-roupa, conversoooooooooouuuuu longamente sobre estilo pessoal e estilo de vida, foi ao cabeleireiro junto, fez análise de coloração pessoal, fez compras… num trabalho que entregou direção e treino pra Pat se apropriar mais e mais de tudo lindo que ela é, e cuidar disso com propriedade. O registro tá aqui embaixo, num vídeo que enche a gente de orgulho e gratidão. Ó!


  • A gente já é “velha” nessa profissão/nesse mercado tão jovens (especialmente aqui no BR). E desde o início, sem muitos modelos disponíveis pra gente pesquisar ou usar como referência, ficou definido aqui na Oficina que a nossa satisfação pessoal e os nossos valores seriam sempre guia pras estradas que a gente escolhesse trilhar ao longo da nossa experiência, na medida em que crescesse. A gente desenvolveu e testou nossa metodologia autoral assim: acreditando que todo mundo é diferente e que essa é a beleza da vida; que a gente por ser diferente e topar fazer diferente ia “atrair” clientes essencialmente interessadas nisso mesmo. E agora, tanto tempo depois – véias! – a gente começa a entender que esse nosso modelo-vindo-do-não-modelo tá inserido nessa idéia da economia criativa. Que orgulho!

    Se a humanidade é sortida e se cada pessoa é única, então uma consultoria de estilo – que quer assessorar clientes num melhor relacionamento com seus próprios guarda-roupas – só funciona de verdade-verdadeira quando parte do cliente; quando transita por caminhos de autoconhecimento. E se a relação de cada cliente consegue ser melhorada substancialmente através desse ‘olhar pra dentro’, dessa troca de referências (não mais as externas, mas sim as internas!), então é natural que consultoria de estilo (aplicada assim!) renda também resultados em autoestima. Se conhecer e entender é a essência de ‘substituir consumo por autoestima’. Pensa em ‘melhora de relacionamento com o próprio guarda-roupa’ acontecendo quando o que se tem no armário deixa de ser um problema diário e passa a ser solução; quando a gente pode dar a importância devida ao que veste (muito muito pequena!) pra dar importância real à vida e ao que a gente vive (muito maior e mais importante!). Melhorar relação com o próprio armário também rola quando a gente aprende a comprar menos, mas melhor; quando a gente entende que pode ter um armário conciso, mas muito versátil — em que cada peça seja tão usada e de tantas maneiras diferentes que seja justificável fazer substituições periódicas: abrir mão do que tá velhinho/desgastado pra abastecer nosso repertório coordenáveis com peças novas… e assim esse armário conciso passa a estar também sempre atualizado.

    A gente escolheu moldar o nosso negócio – e assim estruturou a nossa metodologia: querendo entregar com inteligência e treinamento a possibilidade das nossas clientes construírem guarda-roupas que representem quem elas são e a vida que vivem. Diferente de vender o guarda-roupa do momento, da temporada ou da atriz/personalidade X ou Y. Só dá certo porque nossas clientes entendem que o autoconhecimento é ponto de partida e de direção pra aplicação desse método, e que o resultado por isso mesmo é certeiro –> parte da cliente e volta pra ela mesma! Consultoria de estilo entrega, em forma de treinamento, melhor relação com o guarda-roupa e pode sim render resultado em autoestima, pode abrir outras portas que não só as do guarda-roupa… mas depende de cada cliente. A possibilidade existe, é só querer arriscar, assumir responsabilidade, se aprofundar. Assim como na economia criativa!


  • Desde 2003 trabalhando como consultoras de estilo a gente esteve em com mais de 230 clientes em provadores diferentes e com grupos formados em mais de 50 empresas. Foi muito natural, a partir do que a gente aprendeu na escola, desenvolver e experimentar metodologia autoral através do próprio trabalho — mais interessadas em gente que em roupa, com foco em autoestima. O que é uma delícia: hoje a gente trabalha com a certeza de entregar nossas convicções mais genuínas a cada nova oportunidade, e ainda se sente realizada profissionalmente por ser fiel a isso em que a gente acredita — que o fim do trabalho não é o fim, que ninguém tá “pronta” nunca, que estilo pessoal tem mais a ver com autoconhecimento do que com looks e que guarda-roupa tem mais a ver com qualidade de vida que com moda. É nisso que a gente tá interessada, é isso que a gente acredita que entrega pro mundo com o trabalho da Oficina: autoestima, qualidade de vida e oportunidade de crescimento através de autoconhecimento.

    formacao

    É isso também que a gente agora quer compartilhar com nossas colegas de profissão. Quanto mais gente tiver acesso a essa metodologia, quanto mais consultoras de estilo aplicando essas idéias na prática nos seus trabalhos… mais gente satisfeita no mundo, mais crianças sendo educadas com vontade de estar felizes em frente ao espelho, mais gente com vínculos de amor e amizade fortalecidos, menos consumismo, menos vazio, mais gente brilhando e acendendo tudo em volta. A gente quer formar personal stylists com a nossa metodologia pra fazer, juntas, um mercado — e um mundo — mais real, mais cheio de energia, mais consciente e mais eficaz. Por isso tamos com tudo pronto pra 1ª turma do CURSO DE FORMAÇÃO EM CONSULTORIA DE ESTILO da Oficina, com direito a um projeto prático em que cada participante atende uma cliente de verdade, com a nossa supervisão, pra ter uma primeira experiência ainda dentro do curso — assim todo mundo já experimenta a metodologia (e vai adaptando, customizando, personalizando ao seu jeitinho!), sem medo de ser feliz, sem empacar o início da carreira. E essa primeira cliente já pode, com indicações, render outras… e assim a energia flui!

    O curso vai trata também, é claro, de técnica profissional relacionada a estilo, silhuetas e colorações pessoais, da comunicação profissional, da estruturação do negócio (com plano financeiro bem amarradinho) e da própria entrega, passando por todas as etapas de uma consultoria completa de estilo — e esse conteúdo encontra lugar numa apostilona incrível pra ser consultada enquanto for preciso. A gente acredita que essa pode ser uma jornada incrível de encorajamento, de segurança, de conhecimentos e ferramentas prontos para ser compartilhados. As inscrições estão abertas e a gente tá esperando vocês. :)

    CURSO DE FORMAÇÃO EM CONSULTORIA DE ESTILO: programa detalhado, datas, valores e inscrição


  • A gente tem hábito de compartilhar pelo Instagram os bastidores do nosso trabalho de consultoria de estilo nas casas das clientes — e a etapa de montagem de looks desse trabalho é especialmente legal de compartilhar. É incrível ver como é possível fazer render o que a gente já tem no guarda-roupa: em 3 horas a gente consegue montar, vestir e fotografar de 20 a 30 looks — e quanto mais personalidade definida a cliente tem, mais looks a gente consegue fazer.

    A conta é bem essa: quando a gente olha pra dentro, define o que é importante (pra gente, independente de moda!) e sabe com clareza o que quer (da vida!), essas “importâncias” viram direção pros looks a ser montados. Tipo, se pra uma cliente é importante estar confortável, seduzir e ainda assim se sentir elegante, então todos os looks — mesmo os de fim de semana, mesmo os de balada, mesmo os de trabalho — precisam fazer com que ela se enxergue confortável, sexy and elegante em frente ao espelho. Sacou?

    A partir daí o serviço é mecânico e a gente tem um passo-a-passo, ó: quem quiser pode reproduzir em casa, fazer acontecer aí com o que tem! \o/

    SELEÇÃO DE PEÇAS
    A primeira coisa que a gente faz é separar um número variado de partes de baixo, de acordo com a intenção dos looks. Calças e saias retinhas pra fazer muitos looks de trabalho, shortinhos e jeans pra fazer muitos looks de finde/balada… depende do estilo de vida da cliente. Geralmente a gente seleciona 10 partes de baixo ao todo e 2 ou 3 vestidos — considerando que a gente quer estar por 3 horas com a cliente (por que né gente vestir tudo tirar tudo é uma super ginástica e cansa!). A gente dispõe as partes de baixo sobre a cama, com um pequeno espaço entre elas pra acomodar opções de partes de cima sobre cada uma. As partes de cima a gente seleciona na sequência, já montando os looks.

    MONTAGEM
    Pra cada parte de baixo a gente seleciona 3 partes de cima diferentes e variadas. A gente pensa em variações que rendam, com as mesmas partes de baixo,

    -looks de frio e de calor
    -looks claros e looks escuros
    -looks mais coloridos e looks mais neutros
    -looks mais formais e mais informais
    -looks com estampas e looks lisos
    -looks pra usar com salto e sem salto
    -com bolsa grande e com bolsa pequena

    e as partes de cima são responsáveis por essa variação de temas/propósitos. Nessa etapa a gente também escolhe terceiras peças pra incrementar o que for menos de calor ou mais formal. Todas as partes de cima a gente vai colocando sobre cada parte de baixo, como num pequeno monte de looks “desmontados”, e cada parte de baixo vira um centro de possibilidades.

    SELEÇÃO DE ACESSÓRIOS
    A gente deixa a porta dos sapatos e das bolsas aberta ou separa uma quantidade boa e variada pra usar nas coordenações que fizer (e deixa tudo pertinho da gente). Vale também separar lenços, colarzões, braceletes, broches e tiaras/acessórios de cabelo — esses a gente troca bastante e é com eles que toda a vibração de um look pode mudar. Brincos, anéis e pulseiras muito finas ficam tão pequenos nas fotos que a gente prefere não usar pros looks (mas a cliente fica super à vontade pra incrementar como quiser as fotos que a gente faz!).

    AÇÃO + FOTOS!
    Com partes de baixo selecionadas, partes de cima diferentonas escolhidas pra cada uma e acessórios à mão, a gente parte pra ação e a cliente começa a provar tudo que a gente separou. Começa por uma parte de baixo, prova a primeira possibilidade de parte de cima, “acessoriza”, se vê no espelho e a gente fotografa. Bora pra segunda possibilidade de parte de cima, bora “re-acessorizar”, bora fotografar de novo. E assim a gente vai: a cada parte de baixo a gente vai provando/acessorizando cada uma das 3 possibilidades pensadas e fotografando tudo, um look por foto. No fim a cliente tem um álbum não só de looks, mas de infinitas oportunidades de exercitar trocas e substituições pra fazer render tudo que comprou na vida!

    fórmula compartilhada pra que todo mundo façå suas próprias sessões de montagem de looks em casa, num exercício de versatilidade, variedade e criatividade!

    MAS GENTE E OS VESTIDOS?
    Vestidos, macacões e macaquinhos contam como parte de baixo pra gente nesse dia de looks! Pra cada um a gente tenta acrescentar colete, cinto, lenço, meia-calça, cardigan, jaquetinhas, bota/sandália, etc etc etc. Tem que arranjar jeitos diferentes de usar a mesma peça — e isso vale também pra macaquinho e macacão!

    * A gente curte montar os looks sobre a cama, mas nada impede de geral usar arara, cadeiras, o próprio cabideiro do armário e tals. O que vale é o exercício!

    * A gente tem sempre à mão, em dias de fazer looks, tesourinhas e alicates de bijú, alfinetes, cola de tecido, coisas de ‘primeiros socorros’ de personal stylist. Vai que tem linha solta, botão caindo, essas coisas né?

    * Ter espelho de corpo inteiro é muito mutíssimo importante e valida todo o exercício: enxergar, identificar, reconhecer e assimilar todas as sutilezas do aprendizado colocado em prática, vestindo, sentindo, é o que importa nesse exercício. Registrar pode ser tão importante quanto – pra que a gente possa, no futuro, fazer render ainda mais as idéias experimentadas nesse primeiro momento.

    * É legal pensar nos espaços disponíveis pra trocar de roupa, pra apoiar acessórios, pra se ver no espelho, pra fotografar cada look — se for o caso de montar tripé, especialmente. Vale também pensar na fotografia: vai ser de frente pro espelho? O que aparece no reflexo, além da gente vestindo o look (alô bagunça)? Tem parede branca/lisa pra servir como um fundo neutro, que não interfira na imagem que a gente vai registrar? Uma porta fechada funcionaria? Fica de frente pra luz natural que vem da janela? Em ocasião de montar looks a gente também pode exercer funcões de produtora de locação e de diretora de arte. :)

    *Um extra valioso: maquiagem tomada conta e cabelo cuidado/preparado podem fazer TODA a diferença nessas fotos! Não custa cuidar de estar bonitona nessas imagens que vão servir como referência pra tantos exercícios futuros!

    NOSSA NEWSLETTER SEMANAL chega aí no seu email com mais questionamentos, facilitadores de vida e idéias práticas sobre estilo pessoal e consumo consciente. ASSINA PRA RECEBER!


  • A gente já tinha surtado aqui quando a loja do Alexandre Herchcovitch amanheceu toda estampada – rendeu post e tudo. A idéia da fachada acompanhar cada coleção veio da loja do Japão (ui!) e se renovou por aqui nessa temporada. A parte mais legal é que a loja, dessa vez, tá toda coberta com a estampa principal da coleção de inverno! A “maior” idéia da passarela, a do caos das cidades grandes e da bagunça das metrópoles, foi traduzida como uma grande colagem de cartazes e de placas e letreiros e luzes e cores – tudo meio com cara de Berlim, de onde vêm outras referências da mesma coleção. A estampa se chama “affiche” por isso mesmo, porque quer dizer poster – e não é que virou poster mesmo, colado em lambe-lambe por toda a fachada e até por dentro da loja?!?? Quem conseguir passar por lá hoje à tarde, pra me dar um oi e pra conhecer as peças todas, vai ficar tão passado quanto eu fiquei quando vi!

    cara_nova

    Tem aqui e aqui mais dois textos bem bacanas sobre a coleção que a gente vai conhecer hoje, valem a leitura! E sério, conhecendo as estórias não dá mais vontade de ter?!?? Ou só eu tenho essa personalidade fraca? ;-)


curtimos

ideias complementares às da Oficina