blog

  • Querer parecer feminina parece redundância pra uma mulher, mas não é bem assim. Nem toda mulher é assim tão feminina por natureza. E quando a gente fala feminina quer dizer delicada, suave, uma lady – uma feminilidade bem romântica, sabe!?!

    O mais legal da mulher naturalmente feminina é que ela gosta – e usa – tudo aquilo que todas nós meninas aprendemos a apreciar desde pequenas: ela é cor-de-rosa, florida, cheia de lacinhos, usa vestido. O desafio é não ficar literal e conseguir toda essa delicadeza numa atitude mais mulher que menina. Como em todos os outros posts dessa “serie” aqui estão algumas direções bem práticas pra quem estiver afim de ficar um pouco mais mulherzinha:

    cores claras e estampas florais
    Não tem nada mais romântico do que tons clarinhos, fofinhos, cores de sorvete, né!?! Então imagina que “descolo” tentar fazer uma versão color blocking com tons pastel! Menina-mulher na medida certa. E é claro que um caminho muito fácil de atingir a feminilidade é apostar em estampas florais, daí que pra gente conseguir toquinhos de feminilidade a gente pode usar toquinhos de floral – a estampa não precisa aparecer numa peça inteirinha, tipo um vestido longo todo floral, mas em detalhes, acessórios ou peças menores.

    caimento fluido e cintura marcada
    A imagem de uma mulher andando com uma roupa tão molinha que o tecido balança com ela é tão feminina que chega até a ser óbvia. São leituras que nossos inconscientes fazem e por isso a gente utiliza esses símbolos pra comunicar o que quer. Então um bom truque pra ficar mulherzinha é apostar em tecidos molengos, que balançam, com movimento. E pra quebrar a tal obviedade que tal escolher peças não tão femininas – calças, camisas, paletós – em tecidos muito femininos? A cintura marcada é outro ótimo truque pra ficar mais mulherzinha, viu, gente! A silhueta feminina considerada a ideal é a tal da ampulheta, então pode ser uma boa forçar uma cinturinha.

    detalhes fofos
    Meninas: hora de se divertir! Lacinhos, coraçõezinhos, rendinhas, babadinhos e mais tudo que for muito fofo, muito de menina, mesmo. Mas calma lá! O segredo é não exagerar e pra isso nada como misturar informações, tipo lacinhos pretos, coraçõezinhos de metal, rendinhas transparentes, babadinhos estruturados, etc. Sacou?


  • Estar elegante é diferente de ser elegante.

    Todo mundo pode usar um look um dia e ouvir das pessoas em volta: “nossa, como você está elegante!” — tipo “como você está chique/arrumada/softiticada”. Já a pessoa que é elegante (visualmente mesmo, sem ter a ver com postura e comportamento — que também são coisas diferentes!), pode estar vestida com calça jeans e camiseta… mas carrega como se fosse um tailleur finíssimo, sabe como? Tem a ver com impecabilidade, com “cara de coisa boa”, com uma espécie de superioridade — como se a mulher elegante-por-natureza não fosse como o resto dos humanos.

    Essa ‘elegância natural’ de algumas mulheres não é algo que se fabrica, mas é possível tirar algumas lições delas pra conseguir transmitir uma aparência mais “elevada” quando a gente estiver com vontade/necessidade. E as principais lições são essas:

    coordenações monocromáticas
    Tudo que é entendido como elegante (no nosso subconsciente) tem a figura esguia, longilínea; então tudo que alonga visualmente a silhueta pode também transmitir essa aparência de elegância. Daí que entra a coordenação de cores monocromáticas, ou seja, a coordenação de cores entre partes de cima e partes de baixo do look que não tenham uma quebra no meio da silhueta. Funciona com coordenação de uma mesma cor em tons diferentes (tom sobre tom) ou com cores diferentes num mesmo tom (tudo escuro ou tudo claro) — a gente particularmente curte mais a segunda opção, que deixa o visual um pouco menos careta!

    materiais de qualidade
    O segredo pra ter “cara de coisa boa” é: que a coisa seja boa. Isso não quer dizer comprar coisas caríssimas — mas sim prestar atenção no material, no caimento e no acabamento com que essas coisas são construídas. A gente por aqui bate insistentemente na tecla do tecido natural porque faz muita diferença no resultado do look, minha gente! Vale prestar atenção no toque dos tecidos, nos detalhes dos acessórios… pra comprar o melhor que o nosso dinheirinho permite comprar — essa é a mentalidade da mulher elegante.

    amor pelos clássicos
    A mulher elegante é um pouquinho tradicional, sem ser totalmente careta: por isso ela ama os “clássicos da moda”. A gente pode se apropriar de alguns deles pra adquirir um pouquinho desse refinamento no nosso dia-a-dia: pérolas, trench-coat, escarpins, lenços de seda, bolsas de mão, camisa branca, cardigans, cores neutras… Uma boa sacada é: usar esses itens clássicos com moderação, um de cada vez e coordenados com peças mais informais — pra não correr o risco de ficar um pouco com cara de velha. ;-)


  • Pra algumas (muitas) mulheres o mais importante na hora de escolher o look é o conforto que elas vão sentir ao longo do dia – nada que aperte, nada que machuque, nada que fique saindo do lugar e que elas tenham que ficar ajeitando o tempo todo. E as que são bem sucedidas em conseguir um visual confortável e bacana ao mesmo tempo são vítimas de olhares admirados, do tipo “como ela consegue estar tão chique e parecer que acordou assim?”.

    Esse aspecto de “chique-sem-esforço” é graças à naturalidade da mulher confortável. Como na mente dela só vale usar o que tiver utilidade no look, o que for prático e versátil e principalmente o que for gostoso de vestir, a sua aparência é sempre de despretensão, com os cabelos naturais, as roupas mais soltinhas e a maquiagem suave. É claro que existe um perigo iminente da despretensão virar desleixo, mas aqui a gente está falando das que se arrumam, mas com foco no conforto, OK!?!

    E se a gente seguir algumas direções que são diretrizes pras mulheres confortáveis, mesmo que a gente seja fã de um corset, não se importe nem um pouco com os pés apertados dentro do sapato adorado e curta passar horas na frente do espelho pra deixar as pontas do cabelo espetadas, dá pra gente agregar um pouquinho dessa cara de conforto no look que escolher. Quer ver?

    tecidos naturais e caimentos soltinhos
    Não tem nada mais confortável do que tecidos que respiram, que no fim do dia não estejam com mau-cheiro e que tenham um toque agradável na pele. Por isso os tecidos naturais (lã, linho, seda e algodão) transmitem esse aspecto de “relax”. E daí até aquele amassadinho que poderia incomodar faz parte do charme, sabe!?! Ainda mais quando as peças são soltinhas – não super largas! – com aquele “colchãozinho” de ar entre o tecido e a pele que dá um aspecto de maleabilidade, de que dá pra viver dias naquela roupa sem incomodar.

    acessórios fáceis de carregar
    A mulher naturalmente confortável não topa – nem por um segundo – carregar acessórios que pesam, que pinicam, que fazem barulho demais, que incomodam os movimentos. Então se a gente quer parecer confortável nada de sapatos soltos nos pés, colares de metal e cheios de pedras, pulseiras grande que ficam batendo umas nas outras, brincos pesados, lenços que não param no lugar… Trocar a bolsa de carregar na mão por uma de alça longa  – de transpassar ou tiracolo, desde que deixe os braço livres – o salto agulha por uma anabela, acessórios de metal por outros feitos em materiais alternativos como couro, tecido, sementes, etc podem ser boas ideias pra agregar essa simplicidade chique!

    cara de bem cuidada
    A maior diferença entre a mulher “effortless-chic” e a desleixada são os cuidados pessoais, sabia!?! O que faz com que a primeira pareça que acordou linda e que a segunda acordou atrasada é a maquiagem super suave, os cabelos bem cuidados e controlados, mãos e pés feitos, nada de pelos fora de lugar, a pele bonita, o sorriso branco… Ou seja a mulher natural gasta tempo com ela mesma, mesmo que tenha esse aspecto de “não fiz nada pra ser assim”. E essa é com certeza é maior lição que a gente pode tirar deste post: se cuidar não só faz bem como transparece esse bem-viver na nossa imagem!


  • Quase todas as clientes que a gente atende na consultoria de estilo querem — cada uma do sei jeitinho — parecer sedutoras. Ao mesmo tempo todas elas tem uma mesma preocupação: aprender o que separa ‘se sentir sexy’ de ‘parecer vulgar’.

    Acontece que sensualidade e vulgaridade são atributos super relativos, que mudam de pessoa pra pessoa, e que essencialmente deveriam ser determinados por valores pessoais e singulares (só importa estar de um jeito ou de outro pra quem escolhe!). Então a gente trabalha essa demanda com cada cliente do mesmo jeito: a direção mais importante pra parecer um pouquinho mais sensual é se livrar de preconceitos e procurar se respeitar. \o/

    Mas né, roupa pode criar efeitos que impactam nas nossas formas e também comunicam mensagens relacionadas a personalidade — que compõem identidade e estilo. É possível acrescentar elementos visuais no vestir do dia-a-dia que reforcem a idéia de sexy pra quem já nasceu gabriela :) e também é possível acrescentar essa *pimentinha* nos looks de quem não nasceu assim, mas quer se sentir assim.

    sugerir é mais eficaz
    Repara aí em volta: gente sexy é naturalmente sexy e não precisa de muita exposição da figura pra demonstrar isso. A sensualidade aparece muito mais nos detalhes do que nas obviedades. Por isso substituir decotes vertiginosos por transparências sutis já é uma boa. E trocar uma peça hiper justa por uma que acompanha a silhueta, deixando a figura feminina levemente revelada também. Daí não tem calça jeans sequinha com camiseta branca de algodão finíssimo que não seduza, tem?

    + o que o ashton kutcher considera sexy (incrível e inspirador!)

    cores fortes
    Uma das coisas mais legais da mulher sexy é que ela não tem o menor constrangimento em chamar atenção. Assim: pra que cinza, se existe o pink? Pra que bege, se existe o laranja? :) Cores fortes, chamativas, mais quentes são super sensuais. E não precisa ser uma peça inteira numa cor “cheguei”, um pontinho já pode ser super eficaz. Quer mais sensualidade carregada num objeto do que colares de turquesa ou coral? Ainda mais quando eles escorregam estrategicamente pra dentro do decote!

    pezinhos de fora
    Pés são símbolos tão fortes de sensualidade que chegam a ser fetiches. Então dá-lhe pezinhos à mostra! Sandálias de tiras fininhas, rasteiras, assandalhados, peep toes… o que não falta é opção pra atender personalidades e demandas variadas. Tem também como adequar a ambientes diferentes: nas baladas dá pra deixar os pés quase pelados, já no ambiente profissional vale deixar eles um pouquinho mais fechadinhos, mas ainda assim sensualizando. ;-)


  • Parecer moderna pode ter mais a ver com uma aparência limpa, geométrica, contemporânea, em que a forma é super importante — do que com atual ou vanguarda, sabe como? Muitas “tendências” vistas em desfiles tem a ver com essa modernidade: androginia, minimalismo, brilho usado de dia…

    A aparência da mulher moderna pode até ser pouco feminina — pensa na atriz Tilda Swinton! Mas né, isso não quer dizer que não dê pra misturar uma “modernidade” aqui com uma “feminilidade” ali.  A gente juntou aqui as direções que exercita com as clientes de consultoria de estilo pessoal que querem se sentir mais modernosas assim, ó:

    cores contrastantes
    A moderna não curte de misturar muitas cores num mesmo look mas, quando mistura algumas poucas, prefere que tenham bastante contraste entre si. Esse contraste pode acontecer na hora de coordenar cores neutras — branco x chumbo, gelo x marinho, nude x preto — ou cores coloridas — vermelho x roxo, pink x amarelo, verdão x coral. Aliás, aparência moderna tem mais a ver com cores fortes, luminosas e intensas do que com cores delicadas, suaves apagadas — sem sutileza, indo direto ao ponto!

    tudo limpo!
    Quem tem essa vontade moderna geralmente tem dificuldade de acrescentar muuuitos elementos ao visual — e acaba se sentindo mais confortável (e mais bonita) com looks mais “clean”. Poucos acessórios, pouca estampa, pocas cores, poucas peças… E aí, pra não ficar sem graça, essa mulher privilegia as formas das peças! Por isso um decote assimétrico, uma fenda estratégica, uma dobradura bem localizada não podem faltar no look de quem quer se sentir assim também.

    geometria pura
    E por falar em formas, a mulher moderna adora elementos geométricos, superfícies lisas, cantos angulosos, pontas e assimetrias. Isso pode aparecer em detalhes nas suas roupas, mas principalmente em acessórios. Pensar em arquitetura ajuda a entender, porque é como se eles fossem construídos: tudo é estruturado. Sabe outra coisa que atrai bastante as modernas quando se trata de acessórios? Brilho! Mas não é o brilho do bordado e sim o brilho do lustroso, do metalizado, do envernizado. Quase do futuro!


  • (A experiência prática de atendimento à clientes de consultoria de estilo pessoal conduziu a gente pra elaboração de uma metodologia de trabalho com a nossa cara: desde 2003 a gente aqui na Oficina procura respeitar as preferências, o estilo de vida e a personalidade de cada cliente — e ensina cada uma a seguir exercitando isso mesmo.)

    Todo mundo -sem exceção- carrega um estilo pessoal só seu, e tem um monte de características próprias na hora de escolher como se apresentar. Muitas dessas características vêm de referências de lá de trás (mãe, amigas, irmãs, ídolos de infância…) e daqui do lado (amigas, colegas, ídolos de agora, revistas, sites, novelas…) — e juntas, traduzidas nas escolhas de vestir, são responsáveis pela “nossa cara”.

    Então a gente tem características que são “propriedade adquirida”, mas tem algumas sensações que a gente quer adquirir, sabe?

    Assim: a gente vem trabalhando com uma cliente que não se veste de modo divertidão — ela sempre usou cores neutras e poucas estampas, peças num caimento mais sóbrio, tem uma profissão mais formal, tem uma elegância natural dela, mas… hoje, com esse monte de informação de moda borbulhando em todo tipo de mídia, ela tem sentido uma vontadinha de experimentar mais, de misturar cores, de usar estampas artísticas, de coordenar acessórios, de ser mais criativa!

    Nosso papel é: investigar junto com ela de que jeito essa vontade pode se materializar, entender o que cabe na vida real dela, experimentar muito juntas e seguir exercitando!

    Como essa cliente, todo mundo tem uma maneira singular de ser criativa. A gente compartilha aqui direções gerais que guiam esse nosso trabalho, e quem sabe mais gente — que se identifica com a demanda dessa cliente — aproveita pra desfilar sua porção criativa também, ó!

    muitas cores
    Pessoas naturalmente criativas têm muita facilidade em misturar cores e fazer coordenções ousadas, então se a gente começar a praticar isso, mesmo que em porções pequenas, já se consegue um efeito e tanto. Dá pra aproveitar essa “tendência” de bloco de cores e todo esse monte de roupa e acessórios ultra-coloridos que invadiram as vitrines nacionais pra arriscar um pouquinho mais. Um jeito bem seguro de ousar nas cores é escolher uma cor bem viva, tipo a favorita da vida, pra comprar uma ou duas peças e depois coordenar com uma de suas análogas. Exemplos ajudam: quem gosta de azulão pode juntar uma sapatilha e uma blusa nessa cor e daí coordenar com detalhes em roxo, lilás, tons de rosa, tons de verde… sacou?

    estampa com estampa
    Não tem nada mais criativo que misturar estampas. E nada mais “agregador-imediato-de-interessância” também! Dá pra coordenar estampas discretas, viu gente, não precisa sair por aí estampadíssima, não. Imagina que chique uma calça risca de giz marinho e branco com uma camisa marinho de bolinhas miúdas vermelhas: ousada, criativa, mas nada gritante. O segredo pra coordenar duas estampas é escolher estampas que tenham pelo menos uma cor em comum entre elas. A partir daí, o céu é o limite!

    acessórios divertidos
    As criativas adoram chamar atenção também pelo humor e essa pode ser uma lição boa de seguir e deixar o dia-a-dia não tão sério. Na hora de ser divertida é bem mais fácil começar pelos acessórios: bolsinhas em formas de bichos (uma joaninha, um peixe, uma coruja), pingentes em forma de objetos de casa (xícaras, taças de champanhe, livros), anel em forma de boca, pulseira que imita uma algema, uma sapatilha com um pompom colorido… Imagens inusitadas em pedacinho pequenos do look dão essa pitadinha de graça e ainda tiram o visual do lugar comum.


curtimos

ideias complementares às da Oficina