AUTOCONHECIMENTO É FUNDAMENTO DE ESTILO PESSOAL

Aqui na ODE todo trabalho de consultoria de estilo começa assim: antes de escolher o que vestir é preciso procurar saber o que se quer sentir, como se quer parecer. Nossas clientes fazem esse trabalho de auto-investigação guiadas pela própria consultoria, pra entregar pra gente um briefing claro. E só então partimos pra técnica: a gente ensina cada uma delas a identificar elementos visuais nas roupas e acessórios que representem quem elas são e que vidas tão vivendo. Depois é só escolher certeiro, experimentar, viver o aprendizado.

Facilita a vida, rende escolhas mais objetivas, economiza tempo e dinheiro (ô, se economiza!), dá uma satisfação deliciosa, uma sensação de “ser a gente mesma”. Mas né, antes, dá trabalho!

1.jpg

Todo o conteúdo que a gente compartilha sobre roupas e referências visuais diz respeito a mensagens entendidas coletivamente, o que elas representam dentro dos códigos “convencionados” de vestir, os efeitos que cada elemento visual pode ter em quaisquer silhuetas. Mas a gente acredita que autoconhecimento vem ANTES desse conhecimento técnico de consultoria de estilo — e trabalha junto com ele.

Todo mundo pode saber tudo que a gente mesma sabe e aplica no nosso trabalho de consultoria de estilo, mas cada uma usa esse conhecimento do jeito que quiser: sem precisar de aval ou referências externas. Escolher o que fazer, o que usar ou não usar, é responsabilidade de cada uma de nós :) a partir do que é importante PRA CADA UMA, PRA GENTE MESMA.

Assumir essa responsabilidade abre caminho pra gente encontrar ótimos insights dentro da gente mesma. Sem precisar de propaganda ou de quaisquer “sugestões” de revistas, sem esoterismo, sem papo-cabeça: é na prática, na vida real, que a gente usufrui dos resultados de olhar pra si com acolhimento, aceitação, carinho e bom-humor (por favor!) — não tamos aqui só imaginando, a gente vê acontecer todo dia com mulheres tão especiais quanto todas nós!

Em qualquer tempo em que a gente se sinta oprimida (por quaisquer razões) na hora de escolher o que vestir, pode ser que o exercício de rever o que é importante e o que se quer sentir (na vida!) ascenda uma luz, dê uma direção. A gente tem aqui uns caminhos bons de se trilhar nessas horas de auto-investigação, pra chacoalhar e tirar da inércia, ó:

-como selecionar estímulos que façam brilhar (e não que apaguem nosso brilho):
O FOCO DA NOSSA ATENÇÃO

-como se apropriar da própria história como referência de vestir
RONALDO FRAGA RESPONDE: O QUE É SE VESTIR BEM?

-como começar a exercitar novos olhares pras mesmas coisas, opa!
FELICIDADE NO PRÓPRIO ARMÁRIO

-como baixar ansiedade lembrando que a gente não tem que ter tudo 100% bem resolvido o tempo todo
"OU" É MAIS NATURAL QUE "E"

-como reconquistar nossa humanidade <3<3<3
INCOMPLETAS E IMPERFEITAS

Energia que a gente coloca em autoconhecimento faz gerar ainda mais energia pra aproveitar a vida. Informação eficaz e exercício prático são parte da intenção de escolher melhor —  e a gente se recusa a aceitar que qualquer serzinho humano exatamente igual à gente diga o que se deve ou não deve vestir. Tamos juntas (mesmo que juntas ONLINE, rs!) conectadas pelo encorajamento, pela colaboração, pelo acolhimento umas das outras: vambora descobrir na gente mesma nossas próprias referências, criar nossas próprias fórmulas! Quem vamos? \o/