A REGRINHA DA SUBSTITUIÇÃO

Não dá pra jogar todas as nossas roupas fora e começar um guarda-roupa do zero, né, gente!?! Isso até pode acontecer em programa de TV, mas na vida real é inviável! Mas só de fazer uma limpeza no nosso armário - e limpeza não quer dizer passar um pano de pó, mas tirar o que não funciona mais - parece que nossas roupas são todas novas. substituição

O segundo passo pra se ter o guarda-roupa dos sonhos é tirar tudo aquilo que não serve mais (tanto pro nosso corpo, quanto pra nossa vida). Peças que não são do nosso tamanho, manchadas, furadas, mal conservadas ou daquelas que a gente põe-e-tira toda vez que vai sair não deveriam mais ocupar espaço (físico e mental) nas nossas vidas. Quando no nosso guarda-roupa a gente só tem roupa que funciona e consegue enxergá-las, o número de possíveis coordenações se multiplica e parece que cada peça vale por cinco. De verdade!!!

A gente só deveria ter roupas que AMA usar, não é mesmo!?! Pra que ter alguma coisa que fica mais ou menos ou que é bonitinha, mas... E a regrinha da substituição é inteligentíssima: a cada peça nova que entra no nosso armário, sai uma "velha". Daí a gente pensa muito mais na hora de comprar e acaba ficando com um guarda-roupa conciso e atual, sempre!

Esse é o segundo post de uma série que pode ajudar a gente a construir um  “guarda-roupa dos sonhos”. É inspirada em uma matéria – de uma Baazar americana de 2005 – escrita por Lisa Armstrong (então editora de moda do The Times inglês). A gente adaptou os sete passos pra nossa realidade e ainda acrescentou alguns “segredinhos” bem a la Oficina de Estilo. Aproveitem!!!