A VIDA PODIA SER UMA GRANDE LIQUIDAÇÃO

A gente vive um tempo em que roupa não depende mais de estação ou temporada pra funcionar: moda não é mais o movimento sazonal cheio de tendências que era antes. A gente faz a camiseta de duas, três estações atrás ficar super legal no look de agora, cada uma com seu jeito - e essa é a "moda de agora", não é? Inteligência não é comprar agora pra usar tanto quanto a qualidade permitir? A gente, no próprio guarda-roupa, faz coordenações tipo "a blusa do verão de 2013" com a saia do outono de 2014" todos os dias, certo?

Ao mesmo tempo, se existe uma época do ano em que as marcas se permitem abaixar preços até quase a metade do valor da etiqueta... por que esse não pode ser o preço da temporada toda, desde o lançamento até quando tudo que foi produzido for vendido? Quantas vezes a gente paga por campanhas publicitárias, eventos de marketing, modelos internacionais nos anúncios da marca... e não tanto pelo produto em si? A vida útil de qualquer peça, na real, não tem ligação com o valor que se paga por ela -- e marca que faz liquidação só tira porcentagens que não implicam em perda de dinheiro: prejuízo zero, ainda tem lucro. Então porque não operar desde o início em 'modo liquidação'?

Valor tem ligação sim com materiais e acabamentos de qualidade. Esperta, então, é quem fica de olho nas abas SALE/LIQUIDA dos comércios online que vendem marcas bacanas, quem mapeia as pontas de estoque (físicas) dessas marcas pra visitar de tempos em tempos, quem tá ligada nessas feiras e bazares que promovem os trabalhos de pequenos designers e novos estilistas. Só se pratica preços exorbitantes por que tem quem pague -- a gente faz a nossa parte não comprando no preço cheio (tanto quanto possível), fazendo a demanda aumentar mais e mais por preços-de-liquida. Né não?

Agora pensa com a gente: as lojas liquidam roupas de inverno NO PRÓPRIO INVERNO. Seria bem inteligente da nossa parte, então, "se guardar" a temporada inteira pra SÓ FAZER COMPRAS em tempo de preços menos caros. Se a gente fosse esperta de verdade investia raciocínio e fazia força pra ter um armário enxuto e coerente, que funcionasse direitinho em meias-estações (quando ainda não tá super frio e quando ainda não esquentou geral), pra só se abastecer de compras "de frio" e "de calor" quando realmente fizesse frio e calor. Roupa na hora certa por preços mais aceitáveis (descontos de 50% são sempre bem-vindos!).

Pra isso a gente pode se propor o exercício de domar nossos desejos de usar ANTES as coisas-que-geram-desejo, sabendo que usar antes tem um preço - tudo na vida tem, não tem? E aproveitar pra passar a temporada de lançamentos se obrigando a gostar do que se tem (!!!), usando criatividade pra reinventar as mesmas peças com novos usos, fazendo o dinheiro já gasto valer -- antes mesmo de comprometer outros dinheiros em coisas novas. E a gente então entende assim: aproveita melhor os descontos quem tem disciplina e auto-controle-fashion. O que pode ser um super problema pra indústria, pra nós - consumidoras neo-disciplinadas que esperam momentos certeiros - é um achado e tanto. Vamos começar a exercitar a paciência por aqui, né?

((E sempre pode haver quem tope pagar mais pra usar ANTES, a gente sabe. O exercício proposto aqui é o da gente fazer o melhor que pode com os recursos que temos.))