Desconstruíndo o óbvio com Fernanda Yamamoto

Quando Fernanda Yamamoto anunciou que sua coleção seria sobre a Hello Kitty, todo mundo ficou espantado: a gatinha não tem lá muito a ver com o estilo da estilista. Acontece que a coleção que Fernanda vai apresentar nesse sábado dá um duplo twist carpado na obviedade e mostra que é possível trazer todo tipo de referência - mesmo as mais inusitadas - para dentro do nosso universo.

Fernanda não vai usar a personagem da maneira fofa que todo mundo já usou: ela desconstruiu a Hello Kitty usando estampas feitas com café e torradas. Sabe a famosa torradeira que imprime a carinha da gata no pão? Pois ela foi instrumento de trabalho na criação da coleção!

De longe, mal dá pra sacar que é a personagem. Quando a gente chega perto, no entanto, a surpresa é grata e simpática sem ser infantil nem forçar a amizade com o miguxismo.

Em vez de fazer camisetas fofas e/ou engraçadinhas com a gata sem boca, ela e a designer Ana Iamana, que fez as estampas, resolveram fugir das camisetas e usar a Hello Kitty apenas em vestidos, saias e coletes.

Para quebrar a informalidade e o tom jovial, nada de tecido molengo: só tecido plano, look estruturado e mistura de várias fibras de alta qualidade.

“Minha ideia era trazer a Hello Kitty para o meu universo, para o universo do meu trabalho”, explica Fernanda.

Esse resgate foi feito por meio de uma desconstrução da personagem em padronagens e repetições que não deixam a Hello Kitty ser reconhecida logo de cara.

Talvez você não seja estilista, não trabalhe com estamparia nem tenha sequer uma torradeira da Hello Kitty em casa. Nada disso significa que a gente não possa praticar nossas próprias desconstruções, nossos próprios resgates de coisas que caíram na obviedade, mas que com um pouco de criatividade podem ressurgir de um jeito completamente novo.

Vamos tentar ser um pouco Fernanda Yamamoto sempre que quisermos usar o que todo mundo já cansou de usar?

*Juliana Cunha é jornalista e colaboradora do blog da Oficina de Estilo, que sorte a nossa :) ce pode ler outros textos dela pra Oficina aqui -- e os textos autorais dela no Já Matei Por Menos, ó!