DOLCE & GABBANA NO NOSSO VESTIR

Pode uma marca contribuir com a evolução de estilo pessoal da gente, mesmo que a gente não consuma essa marca? Pensar na tradição e na imagem forte e nos elementos recorrentes do trabalho da marca Dolce & Gabbana fez a gente pensar que sim, que é claro que pode! Se hoje a gente usa onça em tudo, nas quantidade que a gente usa (!!!) e em toda ocasião, é muito responsabilidade desses estilistas italianos. Imagina que era o meião dos anos 90, bem aquele tempo em que o minimalismo dominava todas as modas, eles fizeram um desfile inteiro assim, estampado-pintado de onças. E a liberdade que a gente tem em relação a lingerie aparente e à peças inspiradas na modelagem da roupa (que antes deles era pra ser) usada por baixo de tudo? Veio dos desfiles de Dolce & Gabbana, ainda no final dos anos 80, quando Stefano e Domenico (os primeiros nomes que antecedem Dolce e Gabbana!) misturaram a alfaiataria reta e angular dos executivos de Wall Street com corsets super hiper ultra justos, sutiãs estruturados - alô figurino de show da Madonna, lembram? - cintas-liga que apareciam por baixo de transparências e mais. Há pouco tempo eles resolveram desfilar a italianice das mulheres que os inspiram e fizeram uma coleção cheia de laises, de algodões brancos e de rendas tramadas em fios naturais. Tudo bem com cara de balneário europeu, de cidadezinhas bucólicas de interior (italiano, claaaro), de Talentoso Mr. Ripley e da parte antiguinha do clipe de Cool da Gwen Stefani, sabe? Depois de um bombardeio de imagens desse desfile ficou um pouco mais fácil inserir a laise nos looks de dia-a-dia com bossa e esperteza.

E olha, bombardeio de imagens nem precisa acontecer voluntariamente, a gente sabe. Não precisa ir no site específico, procurar o desfile específico e tals. A moda faz isso com a gente, né, entrega de bandeja as referências que a gente mais quer ter perto, mesmo antes da gente saber que quer. E quando uma marca dessa grandeza, desse alcance, trabalha há tanto tempo (mais de 25 anos!) e com tanta coerência os mesmos elementos, inevitavelmente essas imagens chegam até a gente. E fazem brilhar o olho, e despertam interesse, e uma hora - sem a gente nem perceber que precisou de tanto! - tá todo mundo querendo/usando o que dois designers lááá de longe pensaram como legal pra mulherada. Talvez essa coerência, esses elementos, façam parte dessa mística do " dna"  de cada marca. E se a gente resolve investigar essência por essência das grandes marcas globais do nosso tempo, talvez a gente descubra motivação, inspiração e referência autêntica pra muito mais coisas que, no nosso uso diário, passam batidas no nosso vestir-intelecto-fashion. ;-)

O Net-a-Porter preparou esse vídeo aí em cima, super bonito, com 10 momentos icônicos da marca Dolce & Gabbana - rápido, objetivo e bem consistente. Cheio de referências e espertezas, vê que vale a pena!