ENSINAMENTOS DE OUTRORA COM DENER

A gente falou de Diana Vreeland e Edith Head nessa "seção" do blog e agora é hora de falar de um grande nome da moda brasileira: Dener Pamplona de Abreu. Ele nasceu no Pará, mas começou a trabalhar com moda no Rio de Janeiro - super novinho, lá pelos 13 anos. Aos 21 ele já tinha ateliê próprio em São Paulo. dener

Dener era apaixonado pela alta costura. Diz-se que ele era fã do Cristóbal Balenciaga – que fundou a Balenciaga – e a influência ídolo-fã no trabalho do brasileiro a gente nota no gosto pelo clássico, pelos detalhes e riquezas nas roupas especiais, de festa. Dener se "apropriou" de elementos da alta costura para enriquecer seu trabalho. E por tanto preciosismo, por utilizar o artesanato e mão de obra especializada, pelo rigor, por tudo ser feito sob medida para suas clientes, Dener fazia luxo de verdade - por isso "ousava" chamar seu trabalho de alta costura.Então num tempo em que todo mundo achava que moda no Brasil era cópia do que vinha de fora, Dener virou esse jogo. Ele desenhava modelos próprios para as clientes de acordo com tipo físico, idade, gosto de cada uma e combinava tudo com o nosso clima tropical (que barato, hein?!). Essa receita inovadora foi o caminho do sucesso do Dener e por conta disso ele vestiu gente importante, como as primeiras-damas Sara Kubitscheck e Maria Tereza Goulart.

Ele era muito afeito a elegância, classe e tudo que fosse ligado a luxo e riqueza. Até escreveu um livro chamado “O luxo”. No livro, ele conta que criou um novo tipo de mulher, a “mulher luxo”. Que entre outras coisas, não lançava moda, mas consagrava as modas lançadas pela “mulher elegante”.

Olha que bacana o jeito como ele defende a alta costura e sua relação com a moda de um país: “A alta costura é o laboratório da moda de um país. A alta costura inspira os modelos, mexe a engrenagem de todo o mundo da moda, lança padrões, estilos. Nenhum país tem moda própria, se não tiver uma excelente alta costura”.