EVOLUÇÃO DE ESTILO E PORQUES

Acontece com nossas clientes de consultoria: dois, três anos depois de trabalharem com a gente elas (quase todas) ligam de volta. Não por dependência ou porque viraram outra pessoa, mas porque todo mundo evolui e o que a gente usa muda junto com a gente. Precisa mudar pra acompanhar. Acontece com clientes e esse ano aconteceu comigo! Eu passei 2009 pensando em como me "reinventar", como encontrar de novo o guarda-roupa perfeito, dessa vez pra quem eu sou hoje. Até entender que ninguém se reinventa - a gente aperfeiçoa e evolui. Como gente e como "usadora de moda". imgdarita

(Com clientes é TÃO mais fácil do que com a gente!)

Perguntar 'porque' ajuda um tanto. Porque eu gosto mais dessa blusa do que daquela outra? Porque eu prefiro esse caimento e não um outro? Porque essa coordenação de cores não funciona pra mim? As respostas dessas perguntas dão palavras-chave pra gente identificar e entender o próprio estilo. As minhas sempre se repetiam: conforto, criatividade, feminilidade, brasilidade, praticidade e mais. Essas coisas estão na nossa essência, fazem parte de quem a gente é, independem de roupa - mas podem ser refletidas nelas. O que a gente é por dentro determinando o que a gente vai "enrolar" no lado de fora. E assim dando direção pra tudo evoluir junto.

E assim eu to entendendo (devagarzinho) que o que era confortável pra mim em 2007, agora não é mais - se antes era em materiais super molinhos, agora é em modelagens soltas. Feminilidade já foi (pra mim) muito vestido e muita saia - agora tá aparecendo no meu armário em forma de decotes, de materiais, de comprimentos mais curtos. O que antes era criativo, agora parece espalhafatoso demais (pra mim!) - os blocos de cores fortes e intensas tão abrindo espaço pra coordenações de estampas em tons neutros e mais calmos, então. O que era prático antes, agora me parece pouco sofisticado (é pessoal): os algodões e malhas molinhas tão dando lugar à sedas e linhos finos. Sabe assim?

Os porques tem me indicado onde seguir em frente, na mesma direção mas por outros caminhos. E também tem me mostrado onde mudar de rota, onde tentar outras possibilidades. Tudo olhando pra dentro, pra mim mesma. Vale fazer o mural de referências como recheio de repertório imagético, mas a resposta tá mesmo é com a gente - independente de modelos ou de qualquer imagem em volta. E eu to achando que conhecer bem essa essência tem feito as minhas escolhas de vestir fluirem fácil. Pra qualquer hora dessas - alô 2010! - eu olhar pro meu guarda-roupa (em construção) e me achar ali, me reconhecer de novo, com identidade firme e coerente com quem eu sou a-go-ra.

Beijos, Fê