IMAGEM SUAVIZADA COM TECIDOS MOLINHOS

A Lady Gaga na Vogue América dá uma lição boa pra gente - especialmente pra quem trabalha em escritório, ou tá sempre se achando pouco feminina com a roupa do trabalho. A imagem da cantora é sempre de extravagância, de tachas, de esquisitices quase agressivas, de tudo muito forte impactante dura demais. E aí que na revista ela aparece ainda impactante, ainda com alguma coisa de esquisita, de forte... mas feminina, calma até. A gente pode num primeiro momento pensar que é só por causa das cores claras da capa, com cabelo rosinha e tals - cor é mesmo elemento de muito importância no look, fácil-fácil de se perceber e "transmissor de mensagem" muito eficaz. Tanto que tem uma foto em que ela tá usando jaqueta de couro, e essa é a única foto em preto e branco do ensaio todo: quanto menos contraste, menos assertiva a imagem (fica a dica pras coordenações da vida real!).

Mas a sensação maior de leveza na imagem da Lady Gaga nessa Vogue acontece por conta dos materiais de que são feitas as roupas que ela tá usando. Pensa só que tem recortes, tem volume, tem cor forte... mas é tudo molenga, cai gostoso sobre o corpo, não tem pontas ou estruturas. Os tecidos tem superfícies lisinha, lustrosa, não dá vontade de tocar? Quéde aquela distância toda que a imagem durona faz a gente sentir, hein? Em outras fotos desse ensaio, a cantora aparece com looks mais dramáticos (em cenário mais dramático também) mas - vê só! - esse drama vem envolvido de plumas e franjas fofuchas e (de novo!) cores suaves. Agora para pra pensar que nem todo terno tem que ser durão, nem todo paletó precisa ser preto ou cinza, nem toda camisa precisa ser justa com gola pontuda! Materiais que dão vontade de tocar, caimentos molinhos, modelagens arredondadas e cores calmas sempre "feminizam" o look, pode apostar.