MEIA-PATA: DE ONDE VEIO E PRA ONDE VAI

Há umas duas ou três estações muito se fala nos sapatos pesados. Saltos nas alturas, gáspea mais alta, tiras, correntes, tachas... Os acessórios da hora são sandálias mais fechadas e sapatos meio abertos, num jogo de mostra-esconde nos pés. E quase sempre, pra sustentar essa quantidade de informação, os sapatos estão apoiados numa “meia-pata”. meia-peta

Meia-pata é a plataforminha que sustenta a parte da frente do sapato, com um salto não tão fininho logo atrás. Ela é quase um meio termo entre a plataforma anabela e o salto agulha (não tão pesado quanto o primeiro, nem tão leve quanto o segundo). A gente pensa nelas como a evolução da plataforma, sabe? E olha que elas eram usadas já na Grécia Antiga, pelas gueixas japonesas e na Europa no século XVI. Cada um meio à sua maneira. Lá pelos anos 1930/40, elas começaram a ficar famosas nos Estados Unidos e no Reino Unido, mas só por volta dos anos 1970 que elas viraram febre. Naquela onda glam dos roqueiros  (alô David Bowie).

Apesar de popular mesmo só nos anos 70, não tem como falar de saltão sem lembrar da Carmen Miranda – referência das décadas de 1930 e 1940. As meia-patas de hoje são quase uma releitura (menos teatral!) dos saltos gigantes da pequena notável.

alexa

E o jeito mais legal/atual de usar é equilibrando leve e pesado. Vale coordenar a meia pata com looks num estilo mais boneca, em tecidos leves, bem femininos. Isso de misturar roupa leve com sapato pesado é quase como dar realidade a conto de fada, sabe como? Colocando no estilo princesinha, suave, feminina um peso que traz pro chão o que "está no ar”. Pra mim, impossível pensar em misturar roupa leve com meia-pata pesada sem pensar em Alexa Chung. Ela usa com vestidinhos, com short e não tem medo de levar o sapato pesado pra festa.