MEMÓRIA-ESPELHO

ALÉM DO ESPELHOpor Clara Prado

“Memória-espelho, dir-se-ia, se os espelhos não refletissem a própria imagem, quando ao contrário, é a diferença que procuramos aí descobrir, e no espetáculo dessa diferença, o brilhar repentino de uma identidade impossível de ser encontrada. Não mais uma gênese, mas o deciframento do que somos à luz do que não somos mais.”

 Pierre Nora, Entre Memória e História: a problemática dos lugares.

Quem me conhece sabe que eu não sou uma pessoa dada a explicações esotéricas aos fatos da vida. Embora insistam em dizer que eu sou típica escorpiana – e isso me envaideça um tanto – nunca fui muito além disso e da leitura eventual dos horóscopos de jornal. Que fique claro que entendo a complexidade dos estudos de astrologia e respeito profundamente a fé de cada um! Só que ainda não fui fisgada por esse lado da existência humana...

Mas a vida, de tempos em tempos, independente de nossas crenças, nos faz voltar os olhos para outro lugar que não a resolução imediata dos nossos problemas cotidianos. Ir #alemdoespelho também é abrir espaço para poder pensar além do que o dia a dia nos obriga – este é o nosso convite! E aqui propomos fazer essa experiência por meio da fruição artística e da reflexão. Aliás, sempre foi por aí que explorei e me dei os espaços de sensibilidade e transcendência: pela arte.

Se nosso último encontro foi sobre percepção e exercitamos nossos sentidos, o próximo será sobre memória e exercitaremos nosso pertencimento estético e filosófico. Como os artistas brasileiros vêm trabalhando nos últimos séculos e o que isso nos diz respeito nos dias de hoje? Se afirmamos para o mundo que somos mais do que samba e futebol, como nos representamos? Temos falado tanto ultimamente sobre que país queremos ser, mas de onde partimos, de qual identidade? Não estou falando aqui de “repertório” para usar como “referência”, mas de buscar compreender o que nos constitui enquanto brasileiros e o quanto nossa memória coletiva está em nós, mas muitas vezes abafada por nossa insistente valorização de padrões estéticos e intelectuais exteriores.

Estejamos nós em um momento de levar com leveza o dia a dia ou em um momento de reavaliar nossas escolhas (como é o meu caso), é valioso parar pra pensar sobre nossa memória-espelho, de onde partimos e para onde queremos ir. Essa visita ao acervo da Pinacoteca, no próximo sábado dia 13/07 aqui em SP, é mais do que um passeio delicioso. É um momento de nos encontrarmos com nosso passado olhando para nosso presente, uma história contada para nossa sensibilidade, que nos alimenta e nos conecta à vida vivida todos os dias. Vamos juntas pegar na mão o que a memória nos dá e escrever a nossa própria história de vida. Porque, mais do que acreditar que tudo acontece “por um motivo”, acredito que nós podemos dar significados a tudo o que nos acontece.

 “Porque é afetiva e mágica, a memória não se acomoda a detalhes que a confortam: ela se alimenta de lembranças vagas, telescópicas, globais ou flutuantes, particulares ou simbólicas, sensível a todas as transferências, cenas, censuras ou projeções.”

Pierre Nora, Entre Memória e História: a problemática dos lugares.

 

Encontro cultural #alemdoespelho Tema: Memória Sábado dia 13 de julho, período  da manhã

Pinacoteca do Estado de São Paulo - Praça da Luz, 2 - São Paulo, SP Estação Luz do Metrô - Tel. 55 11 3324-1000

Exposição Arte no Brasil: uma História na Pinacoteca de São Paulo

Do site da Pinacoteca: O objetivo central desta mostra é oferecer ao público uma leitura da formação da visualidade artística e da constituição de um sistema de arte no Brasil do período colonial até meados dos anos 1930, centrada nas obras que compõem o acervo do museu. “Obedecendo a uma ordem cronológica, a exposição se articula a partir de dois eixos temáticos, essenciais na constituição e compreensão do desenvolvimento das práticas artísticas no país. De um lado, a formação de um imaginário visual sobre o Brasil – o conjunto de imagens sobre ele, suas relações e sentidos que produzem. De outro, a formação de um sistema de arte no país – ensino, produção, mercado, crítica e museus – iniciado com a vinda da Missão Artística Francesa, a criação da Academia Imperial de Belas Artes e do programa de pensionato artístico. O percurso das salas apresenta os desdobramentos desta história, seus personagens e realizações...”, afirma Ivo Mesquita, curador chefe da Pinacoteca do Estado. Saiba mais aqui!

A coluna #alémdoespelho da Clara aqui no site convida a gente a "pensar além do que o dia a dia nos obriga" e assim também trabalhar autoestima -- exercitando e experimentando através de conversas críticas e encontros com a arte nos nossos encontros culturais aqui em SP. Clica pra conhecer esse nosso programa bimestral e se programa pra estar com a gente nos próximos!