NINGUÉM TEM QUE TER MEDO DE EXPERIMENTAR

370c1a57daab5a9bc901f68b884bbc44.jpg

A gente sabe que na prática a estória é bem outra: todo mundo quer ser amada e admirada e aceita (até a gente, claro!)... mas aqui ainda rola um inconformismo com a quantidade de gente que pergunta coisas tipo "mas e se eu usar a legging de outra cor e minha perna parecer mais curta?" ou "mas e se esse casaco for arrumado demais pra esse evento?", "e se isso...?", "e se aquilo..?". Gente, qual o problema em experimentar? É só roupa! E mais: qual o problema em "não acertar" de vez em quando? --> Levando em consideração que "não acertar" ~em moda~ é das coisas mais relativas que existem!

Todo mundo já passou por isso, com mais ou menos intensidade: se arruma, acredita no look, sai de casa e o universo de algum jeito "desaprova" o visual. Ou porque te olham atravessado, ou porque não rola usar aquilo inserido num contexto específico, ou porque não deixou a gente à vontade e tudo em volta reflete desconforto (tem como disfarçar?). Mas gente, E DAÍ? Errou no look, mas perdeu o emprego por conta disso? O namorado terminou tudo? As amigas deixaram de falar com você? Foi atropelada? O cachorro morreu? Ce pegou lepra? Bateu o carro? Não acontece na-da com a gente quando o look é um equívoco, então porque a gente tem tanto medo de experimentar? Medo de errar? Não é transplante, não é água potável, não é cura do câncer... é só roupa -- e experiência não-legal ainda é experiência, ainda ensina!

Vale também pensar um tantinho mais antes de fazer cara feia pro look eventualmente esquisito da colega, re-avaliar o julgamento e lembrar que tá todo mundo tentando, se jogando, experimentando. Se tiver menos circunstância de comparação e mais compaixão aceitação colaboração, o universo vai se tornando um lugar mais receptivo à experiências novas de todo tipo, pra todo mundo -- inclusive pra gente mesma!

A gente sabe (de verdade-verdadeira) que na prática é bem diferente, mas a gente podia parar de se achar tão importante, parar de pensar que todo mundo se importa com o que a gente usa, experimentar horrores e bancar (mesmo!) as coisas que a gente tem vontade de usar - e ainda se divertir com a coisa toda, re-inventar o próprio armário, fazer valer as compras feitas, honrar as escolhas que faz. E pronto! Devia ser simples assim, não?

mais: look do dia é veneno anti-espontaneidade por que a gente se compara tanto?

((esse post foi pro ar originalmente em julho de 2009 -- a gente releu antes de re-postar e não precisou mudar uma vírgula de lugar pra atualizar, tá tudo valendo muito!))