O ESFORÇO DE FAZER MODA

Perguntaram pra Tavi Gevinson do blog StyleRookie "porque estilistas se esforçam tanto e gastam tanto dinheiro pra colocar nas passarelas roupas que ninguém vai usar nas ruas depois?", e a mocinha - de DOZE anos -, respondeu (tipo) isso:

"Alguns estilistas dedicam mesmo toneladas de horas e dinheiro às suas peças, às vezes num nível mais comercial - e essas são as marcas que mais frequentemente a gente vê nas ruas. Os estilistas que mais me interessam trabalham tanto quanto esses - se não mais ainda! - pra criar roupas que sejam significativas pra eles, pra criar arte. Sempre tem os estilistas que ligam mais pro "look da coleção", mas eu espero que sempre existam também um grupo que presta mais atenção às suas emoções e conceitos. (...) Fazer roupas pode ser como escrever um poema, ou pintar um quadro, ou tocar guitarra. Quando alguém é apaixonado por uma dessas coisas, se sente meio 'obrigado' a criar (é uma necessidade). (...) Usar a moda como expressão (de si mesmo) pode ir além de usar uma camiseta com um slogan, já que roupas tem a capacidade de evocar todo um sentimento, ou uma atmosfera, ou uma emoção, ou um mundo."

Romântica, mas com alguma razão. No trabalho como consultoras de estilo a gente vê direitinho - num sentido bem mais prático! - a função da roupa na hora de "expressar quem se é": ainda bem que tem gente no mundo que tem mesmo necessidade de criar (e não só de vender) pra inspirar mais gente na rua, do lado de fora da semana de moda. Né? Esse textinho na íntegra e no inglês original tá aqui.