O fantasma da peça nunca usada

38c2f8a00a632dab0b9e70b7e68d60b5.jpg

Uma das primeiras tarefas que nós fazemos com as clientes é analisar o que tem no guarda-roupa e não é usado. Nessa etapa, aparecem cobras e lagartos. A parte que causa mais frustração é tirar as peças que nunca usamos, que estão ali paradas com etiqueta e tudo há séculos.

Reconhecer que fizemos uma má compra - pior, várias más compras - é terrível. Envolve assumir que somos consumistas, que não nos conhecemos tão bem assim, que desperdiçamos nosso dinheiro e somos impulsivas. Geralmente preferimos pensar que se “não temos roupa” isso é culpa da falta de dinheiro, mas lá estão as peças sem uso para depor contra a gente! A peça nunca usada é o novo bicho-papão que se esconde no armário!

Diante de uma peça intocada, o impulso mais recorrente é deixá-la apodrecer no armário e fingir que um dia vamos resgatá-la. Essa é justamente a atitude que nós tentamos evitar!. Uma peça parada atravanca o guarda-roupa, toma espaço e não nos deixa ver outra que podia ser usada. Algumas clientes brincam na hora da limpeza chamando a Cris de Capitão Nascimento do tanto de peça que pede pra sair durante o processo de arrumação do armário!

Todo mundo sabe que guarda verdadeiras fortunas mal gastas no guarda-roupas, mas ficamos ainda mais passadas quando vimos essa pesquisa dizendo que, em média, cada mulher britânica tem 285 libras (cerca de R$ 755) em roupas que nunca usaram - o equivalente a 22 peças de roupa desperdiçadas. Juntas, as mulheres do Reino Unido têm cerca de 1,6 bilhão de libras (R$ 4,2 bilhões) e 500 milhões de itens sem uso. Pensa em tudo que dá para fazer com esse valor!

Nessa época de liquidações e queimas totais a gente precisa ficar duplamente atenta para não queimar é o nosso dinheiro, já que 45% das mulheres ouvidas atribuem às liquidações a culpa por todo esse dinheiro desperdiçado.

Um exercício doloroso que a gente queria propor hoje é: vamos encarar o armário e fazer as contas de quanto dinheiro temos lá dentro em roupas pouco ou nada usadas? Será que esse valor não faria toda a diferença gasto da forma correta? Será que não dava para comprar com folga tudo que você vem precisando há tempos?

*Juliana Cunha é jornalista e colaboradora do blog da Oficina de Estilo, que sorte a nossa :) ce pode ler outros textos dela pra Oficina aqui -- e os textos autorais dela no Já Matei Por Menos, ó!