O melhor sapateiro de São Paulo

A gente fala bastante aqui no blog sobre peças investimento - aquelas que serão usadas por muitas temporadas -, mas é claro que nada fica tanto tempo sendo usado, perambulando de um lado para o outro, sem precisar de conservação. Para manter uma peça querida por muitos anos é preciso saber a quem recorrer na hora de fazer pequenas reformas.

A Oficina já fez uma agenda colaborativa de costureiras - essas divas da customização e da reforma. Agora, chegou a vez dos sapateiros! Para incentivar todo mundo a compartilhar o contato do seu sapateiro de ouro, nós resolvemos entrevistar o nosso!

Apresentando: nosso sapateiro

Para isso, fomos até a Sapataria Barone, na Rua Tutóia, falar com um senhor que há 50 anos ajuda as pessoas a passarem o maior tempo possível com suas peças do coração. Esse senhor - que se chama Barone, claro! - começou sua carreira muito cedo, ajudando o pai em um curtume artesanal na Calábria, região que fica no sul da Itália.

Acompanhou as tags? Curtume, Itália, 50 anos? Só com elas já dá para concluir que o Seu Barone entende tudo de sapato. Ele entende como o couro se comporta, até que ponto ele laceia e quando vale a pena reformar uma peça.

Com toda essa experiência, ele consegue reduzir ou aumentar um sapato em até três números. Para isso, não se usa mágica, e sim artesanato. Seu Barone desmonta os calçados, descostura a sola, aplica um produto químico no couro e depois faz toda a remontagem manualmente. Não é possível aumentar nem diminuir mais do que isso sem que o couro rache ou se retraia demais. O serviço custa R$ 150 por par.

Segundo Seu Barone, quando o couro é de boa qualidade e existe amor, não há defeito que não possa ser consertado. Ele vê o couro como uma matéria viva que pode sofrer e depois se recuperar. Lá na sapataria chegam bolsas e malas detonadas por chuva, por mofo e até por hidrocor de criança. A reabilitação dessas pobres Pradas, Hermès e Louis Vuittons é feita com resina (italiana, claro) e custa R$ 200.

Ele também recupera casacos de peles de clientes que herdaram essas peças de suas avós. Chegam por lá casacos de até setenta anos que são completamente reformados, com direito a freezer para congelar o pêlo antes do tratamento, troca de forro e limpeza. O preço da reforma é quase uma vingança dos animais: R$ 2.500.

Quando pedimos dicas de conservação de sapatos, Seu Barone é taxativo: sabe aqueles limpadores de couro vendidos nos mercados e nas lojas de sapato? Ignore-os! Cada tipo de couro exige um produto específico. O ideal é levar até a sapataria e perguntar o que usar em cada sapato. Segundo ele, não existe um limpador de couro universal porque não existe um couro universal. Couro é como pele. "Algum dermatologista diria para todas as pessoas do mundo usarem o mesmo creme?", provoca o sapateiro.

O que dá para consertar no sapateiro?

Com ajuda do Seu Barone, fizemos uma lista de problemas resolvíveis em sapatarias de boa qualidade:

* Salto danificado; * Bota com cano folgado ou apertado; * Mofo, fungos e umidade em sapatos e bolsas de couro ou casacos de pele; * Sapato folgado ou apertado; * Couro velho, sem brilho e com desgastes de uso; * Mala sofrida de tanto passar pela esteira do aeroporto; * Qualquer dano motivado pela idade da peça.

Já esses outros problemas não conseguem ter uma solução que fique 100% legal:

* Peças que receberam produtos químicos errados em casa, na sapataria ou na tinturaria; * Peças que sofreram mau uso por muito tempo; * Couro de má qualidade.

Orgulho do avô

A única coisa que orgulha Seu Barone mais do que a sapataria é o neto de 14 anos, que joga no time de base do Milan. Sem brincadeira, ele passou quarenta minutos babando o neto depois da nossa entrevista! Então, quem estiver pensando em virar maria-chuteira nos próximos anos, pode anotar na agenda que em breve o Milan vai nos apresentar a chuteira mais bem polida que a comunidade ítalo-brasileira já viu. O sobrenome você já sabe: Barone!

Sapataria Barone

Rua Tutóia, 159

Paraíso. São Paulo - SP

Telefone: 3051-7272

Agora é a sua vez de compartilhar o contato do sapateiro!

Gostaram das dicas do Seu Barone? Pois agora a gente quer ver todo mundo compartilhando o contato do seu sapateiro de ouro em qualquer lugar do país aqui nos comentários!

*Juliana Cunha é jornalista e colaboradora do blog da Oficina de Estilo, que sorte a nossa :) ce pode ler outros textos dela pra Oficina aqui -- e os textos autorais dela no Já Matei Por Menos, ó!