REGINA GUERREIRO SABE DAS COISAS

Vejam só que impressionante: o textinho transcrito aqui embaixo foi publicado pela Regina Guerreiro numa edição de moda da revista Caras no fim de 2007, para o verão de 2008. Tudo que ela falou acontece exatamente assim ainda hoje, agora -- e é esse olhar que a gente aqui na Oficina tenta exercitar a cada temporada de desfiles. Todo dia, na prática, é bem esse o nosso trabalho: conhecer tudo, entender cada cliente, organizar possibilidades, direcionar escolhas -- mas nunca ditar, impor. Nem teria graça ser de outro jeito, já que quem veste a roupa é muito mais interessante (e importante!) do que a roupa em si -- ou que os motivos que fazem a gente querer vestí-la. A gente fica feliz da vida, então, de repassar esse pensamento-ensinamento no blog da Oficina, espaço de extensão (na internet) do nosso trabalho da vida real. Ó que sábia que dona Regina é: "Esqueça a palavrinha tendência, porque ela está morta. Num mundo em que -praticamente- existem 800 desfiles por temporada, só podia acontecer o que aconteceu: uma Babel fashion, em que cada estilista fala a sua língua (até aí, tudo bem), e é papo furado dizer "agora é isso ou aquilo". Vai daí que mudei completamente minha linha de edição. Mostro o que acho melhor de cada estilista, até porque -afinal- as outras revistas e jornais, no desespero de "contar tudo", já mostraram tudo e, muito provavelmente, enlouqueceram e confundiram você. Ver não quer dizer entender. Então edito... Como nas fotos, minha lente "pega" só o que é preciso, sabe como? Nessa nova edição verão 2008, só mostro o melhor. Mas é você que "se escolhe", é você quem diz "puxa, esse modelito é a minha cara", esse sim, esse não. Sem medo, tá? Aprendi -já faz tempo- que, nem na moda, nem na vida, existe o certo e o errado. Vai daí que... VaiVaiVai!"