Signos de um outro tempo e espaço inseridos na roupa de hoje

Não é impressão sua: peças, acabamentos e acessórios étnicos, artesanais ou que de algum modo remetam a outro tempo e espaço estão super em alta. Pode ser uma roupa de brechó, uma peça roubada do guarda-roupa da avó, uma pulseira com miçangas, um detalhe em crochê... Qualquer coisa que lembre uma época ou um lugar em que a vida, o consumo e os modos de produção sejam diferentes dos nossos.

Pensa bem: a vida da gente está tão cercada de objetos tecnológicos, de falta de tempo e impessoalidade que as pessoas estão buscando contrapontos a isso tudo. Na vida, a gente acha que os contrapontos são essa vontade doida que todo mundo vem experimentando de cozinhar, cuidar de plantas, andar de bicicleta, costurar. Sabe como? Você sente o mesmo?

Já a moda empreende um movimento parecido resgatando técnicas antigas, materiais que lembram o artesanal e objetos que podem dialogar tanto com a sua história pessoal - como é o caso de uma joia de família - quanto com a história coletiva de um grupo.

Por isso que usar um acessório africano de uma tribo que não tem nada a ver com você diretamente ainda assim gera esse acolhimento causado pelo artesanal, pelo que está fora da nossa vidinha mecanizada, conectada e compartilhada demais.

Faz sentido pra você? Para a gente super faz e ainda pode ser lindo, original, inesperado.

*Juliana Cunha é jornalista e colaboradora do blog da Oficina de Estilo, que sorte a nossa :) ce pode ler outros textos dela pra Oficina aqui -- e os textos autorais dela no Já Matei Por Menos, ó!