TROMPE-L'OEIL: ILUSÃO INTELIGENTE

Há mais ou menos dois meses, tanto a Prada quanto a Miu Miu, marcas que tem Miuccia Prada como diretora criativa, desfilaram nas semanas de moda de Milão e Paris modelos de botas "fantasiadas" de sandálias. Esse jeito de "parecer uma coisa mas na verdade ser outra" é mais conhecido como "Trompe-l'oeil" e foi pelas mãos de Elsa Schiaparelli, lá na década de 30, que essa técnica artística tão de sonho veio pra moda.

As botinhas "fantasiadas" de Miuccia Prada

Foi através dos amigos surrealistas que Elsa foi influenciada a trabalhar com esse jeito de fantasiar roupas. Cardigan com lacinho estampado na própria trama? Foi ela que fez primeiro! O melhor da história do Trompe-l'oeil é que ele foi mais usado justamente em épocas de crise financeira, sendo uma alternativa pra continuar vivendo a moda mesmo sem riquezas. Se não existe verba suficiente pra fazer bolsos, vamos fazer os pespontos pra "fingir" que eles existem. Ou seja, simular elementos que não estão ali de verdade através de desenhos nas roupas - na costura, estampas, cores, etc - não é só interessante e lúdico, mas econômico.

Criações de Elsa Schiaparelli, e foto da estilista à direita

Se a gente pensar que muitos países ainda enfrentam dificuldades financeiras por causa da recessão, faz mais que sentido essa técnica ser usada logo por Miuccia - que não faz nada por acaso - não só em uma, mas em suas duas coleções. Aos pouquinhos, depois de temporadas em que muitas marcas tentaram explorar seus clássicos pra sobreviver a crise, uma certa liberdade criativa parece estar voltando - assim como a sensação do quanto a moda pode ser divertida.

Maravilhoso se permitir observar e olhar uma, duas, até três vezes (!!!) pra um Trompe-l'oeil - até o olho entender o que há impresso ali e decifrar inteligência nessas mini-surpresas da moda. Lembrete de que nada precisa ser levado tão a sério, e que diversão e fantasia também podem ser entendidos como esperteza. ;-)