Vale a pena comprar hoje pra ser magra amanhã?

Recentemente, nós fizemos um post geral sobre o que manter no guarda-roupa e o que passar adiante. Mesmo assim, achamos que valia dar dicas mais específicas para quem está em processos de mudança no corpo, como gravidez ou emagrecimento. Nesses casos, o primeiro passo é separar o que serve hoje do que não serve hoje. Passar nove meses de gravidez ou um ano de emagrecimento olhando para um monte de roupas que ainda não cabem não é nada prático, além de ser meio torturante.

Entre as peças que não cabem no seu corpo de hoje, vale fazer uma limpa e se desfazer primeiro do que você não gosta tanto assim. Sabe aquelas compras meio esquisitas que a gente faz e um mês depois - exatamente um mês, que é para não ter chance de trocar! - se pergunta onde estava com a cabeça?

A segunda parte do processo eliminatório exige racionalidade: se desfaça das peças que não vão caber. Por exemplo: você sempre vestiu 38. Engordou, está vestindo 40, mas quer emagrecer. É bem possível que você volte a vestir 38, mas o que aquela calça 36 que coube em você em alguma época remota da sua vida continua fazendo no seu armário?

Eliminar esse tipo de troféu e “calça da vitória” tira um peso enorme das costas. Parece que aquela peça fica ali zombando da sua cara, como quem diz “você não é boa o suficiente para me usar”, sabe como? Seja boa o suficiente pra botar a vagaba pra correr.

As peças aprovadas nessas duas etapas ganham o direito de permanecer no armário até o fim da gravidez ou por mais seis meses, quando um novo processo seletivo deverá ser realizado.

Por último, a dica da Cris do alto de sua segunda gravidez é que, durante a espera, a gente fica com um acervo de peças super reduzido já que nada cabe e ninguém quer montar um guarda-roupa inteiro pra usar por apenas nove meses. Quando a gravidez terminar e você começar a emagrecer, vai querer fazer uma fogueira e tacar fogo naquelas três calças e sete blusas que serviam e comprar roupas novas.

Respeite seu direito de comprar roupas legais no pós-gravidez, quando você tiver atingido o peso que considera legal. Para isso, evite ficar comprando roupas que você acha - e apenas acha - que vão ficar legais depois do parto. Pode acreditar: assim as compras dão muito mais certo - e muito mais prazer! - do quando a gente compra roupa para o dia em que ficar mais magra.

*Juliana Cunha é jornalista e colaboradora do blog da Oficina de Estilo, que sorte a nossa :) ce pode ler outros textos dela pra Oficina aqui -- e os textos autorais dela no Já Matei Por Menos, ó!