O QUE FAZER COM O QUE (SÓ) TEM VALOR AFETIVO

Guarda-roupa de mulher é BEM mais que uma caixona de madeira cheia de pedaços de panos cortados e costurados em forma de roupas, a gente sabe. Nesses nossos anos trabalhando como consultoras de estilo a gente já conheceu guarda-roupa ocupado por camisas do pai da cliente, por paletó do avô, quase que inteiro ocupado com as roupas da irmã que se foi cedo, até com vestido de noiva pendurado no cabide junto com os vestidos de dia a dia.

Não é só roupa, né. Então, na etapa de revitalização de guarda-roupa do nosso trabalho, tá sempre prevista a criação/administração de um ‘cantinho sentimental’ em todo armário — desde que esse canto não ocupe tanto espaço, que não atrapalhe a parte funcional do armário.

É possível manter peças com valor afetivo numa gaveta separada pra isso, ou penduradas em cabides numa porta do canto do armário. E é bom que a gente cuide dessas peças com carinho — se é pra ser lembrança, que a lembrança dure: vale deixar a porta do armário aberta de tempos em tempos, tirar as peças e pendurar em lugar fresco e aberto pra ventilar, lavar uma vez por semestre ou por ano, pelo menos.

E o canto sentimental é um espaço definido: não tem sentido deixar a calça sentimental junto com as outras calças, o vestido da formatura com os vestidos de trabalho: des-espalhar essas peças especiais do armário e juntar tudo que tem valor emotivo num lugar só é muito muito importante! E informativo: se juntando tudo o espaço demandado pra acomodar é considerável, pode ser o caso de se fazer uma repassagem pra desafogar o armário e descolar outros jeitos de se manter essas lembranças por perto.

A gente tipicamente separa 6, 8 cabides no máximo pra esse canto sentimental, e seleciona com cada cliente as memórias mais sensacionais de se ter ali, as que valem a energia, as que precisam estar protegidas pelas portas do armário, de tão preciosas. Pra outras (também lindas, também preciosas!) a gente sugere soluções que já experimentou com sucesso e alegria:

  • aprender a fazer (e fazer!) ou encomendar almofadas usando o tecido lindo de uma peça
  • aprender a fazer (e fazer!) ou pedir à costureira que faça um big lenção pra usar na cintura, no cabelo, na bolsa, no pescoço
  • aprender a fazer ou encomendar um conjunto de necessáires usando o material da peça
  • descolar um sapateiro pra forrar um par de sapatos com o tecido (ou aprender a fazer e fazer :) por que não, né?)
  • conversar com o moldureiro do bairro pra confeccionar uma estrutura que permita emoldurar a peça lindamente, e usar na decoração

E assim a gente substitui acúmulo por exercício mental, estagnação por criatividade! Num exercício de priorizar, de pensar no que é MAIS especial, e de procurar alternativas inventivas pros nossos apegos. <3 Mas né, essas são só as soluções que a gente conhece — não são todas as possíveis. Ce conhece alguma outra? Já transformou alguma peça sentimental em outra coisa? Como é o seu canto sentimental? A gente adoraria trocar idéias!

+ O QUE FAZER COM O QUE NÃO QUERO MAIS
+ COMO CONSTRUIR UM GUARDA-ROUPA INTELIGENTE
+ CONSULTORIA DE ESTILO PESSOAL